sábado, 15 de maio de 2010

Equilíbrio e acção

O post A Balança colocado no Sempre Jovens por Fernanda Ferreira (Ná) suscitou-me as seguintes reflexões sobre a confusão que muitas vezes se vê fazer entre equilíbrio, estabilidade, e estagnação.

Há dias em, conversa com uma pessoa que se gabava de ser equilibrada sempre igual a si própria, tive a frontalidade de a comparar a uma peça de olaria que, sem flexibilidade, continuará sempre igual até ser destruída, até ser transformada em cacos, mesmo que seja uma preciosidade de arte antiga.

A vida não é estagnação, é movimento, flexibilidade, jogo de cintura, adaptação ao ambiente, às circunstâncias, movimento com curvas, subidas e descidas, travagens e acelerações.

Viver em equilíbrio é atravessar o obstáculo em cima do arame, sem parar, é andar de bicicleta em que não se pode parar sem um apoio externo (pôr o pé no chão ou encostar à parede) e o desvio do volante é que nos dá o equilíbrio sendo este mais fácil com o aumento da velocidade.

Por vezes, temos a tentação de elogiar o equilíbrio, a estabilidade, quando apenas se trata da estagnação, do pântano, da putrefacção, do «cada vez mais do mesmo».

Tal como o equilibrista do circo em cima do arame é preciso ter um objectivo bem determinado, com valores éticos, e depois orientar todos os passos, todos os gestos, de forma a conduzir para lá, sem cair dramaticamente pelo caminho, sem se deixar derrotar pelas pequenas contrariedades.

Na busca do equilíbrio, é verdadeira a frase «parar é morrer». É indispensável fazer face da forma mais correcta aos pequenos desequilíbrios que ocorrem permanentemente. O equilíbrio é o resultado dessa dinâmica.

4 comentários:

Luis disse...

Caro João,
Quem anda de bicicleta percebe bem esta noção de equilibrio/movimento pois quando se para perde-se o equilibrio e cai-se. Daí teres razão quando dizes "que parar é morrer"!!!
Um abraço amigo.

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Parabéns!

Este era mesmo um dos que merecia um post.
Perfeito.
Beijinhos

A. João Soares disse...

Caro Luís,

A vida passa-se como a água do rio. Não se volta ao mesmo local e cada momento é diferente do anterior, por isso o movimento é a lei da vida.
Quando se fala em equilíbrio do comportamento de uma pessoa, deve querer referir-se à sensatez, ao bom senso, sem aventuras despropositadas e não calculadas. O equilíbrio deve traduzir-se no método descrito em Pensar antes de decidir.
Quando uso um link como este, concluo que este blog é muito equilibrado, com características didácticas, quase um manual escolar!!!

Um abraço
João
Só imagens

A. João Soares disse...

Querida Ná,

Tem razão. Seria mau que ficasse no espaço sombrio de comentário. Há muitos outros que foram condenados a ficar escondidos sob a burka!

Beijos
João
Só imagens