quinta-feira, 13 de maio de 2010

Crise e atamancar soluções

Nada acontece por acaso e raros são os casos de acidentes inesperados. A crise foi crescendo em movimento acelerado (leis da física aplicadas ao plano inclinado) porque a generalidade dos actos que a geraram iam ficando impunes e até elogiados, o que constituía um incentivo. O enriquecimento ilícito a corrupção e o tráfico de influências (já detectados há mais de meia dúzia de anos pelo Engenheiro João Cravinho) eram trazidos a público pela Comunicação Social, envolvidos em «casos» que estiolavam sem castigo visível. A inépcia dos políticos permitia que a crise fosse tomando forma.

Diziam que tudo estava na legalidade. Ora se a legalidade não é moral deve mudar-se a lei para que o seja. A lei é uma artificialidade dos políticos (poder legislativo) e pode ser alterada e melhorada por eles. Se a moralidade não é constitucional, torne-se a Constituição moral, o que está dentro das possibilidades dos políticos que a fizeram e a podem alterar para a tornarem moral, porque se trata de uma artificialidade por eles construída.

Portanto, a crise deve-se à inépcia dos políticos que não impediram que aparecesse, que a não detectaram a tempo, que a deixaram crescer, provavelmente porque dela iam tirando benefício. Já têm aqui sido referidos inúmeros aspectos que levam a reforçar esta dúvida (ou certeza).

Agora, tendo chegado o momento crítico, surge a notícia de que Governo e PSD acordam mais impostos para todos, enquanto noutros países as notícias apresentam um cariz diferente. No País vizinho foram publicadas As medidas espanholas de corte de despesa pública e surgiu a notícia de que Governo espanhol estuda medidas adicionais de corte sobre quem “tem mais”. Do reino Unido chega a notícia de que Governo britânico reduz salários dos novos ministros.

Nestes países houve o cuidado de os mais bafejados pelo crescimento da crise serem os primeiros a contribuir para o combate a desenvolver para a travar. Aqui, entre nós, a imoralidade da solução adoptada é descrita nesta notícia Presidente da Caritas: “São os que não geraram a crise que a vão pagar».

Curiosamente o principal apoiante do Governo na adopção de medidas de «aperto do cinto de todos» mostra-se pouco tranquilo como se depreende da notícia PSD pede desculpa ao país por acordo com Governo. Mesmo dentro do Governo há quem tenha consciência da imoralidade da crise e da terapia que lhe está a ser proposta como se vê na notícia "Vamos enfrentar a tensão social", diz Teixeira dos Santos. No horizonte vislumbra-se uma situação traumática à imagem da grega, com nuvens de cinzas, desta vez não vulcânicas.

O problema é muito complexo. A leitura das notícias referidas traz grandes preocupações, mas parece quererem manter nos gabinetes a quantidade de pessoal pouco útil pago a peso de ouro, as reformas milionárias e acumuladas obtidas em curtos períodos de serviço, os prémios de gestores públicos de duvidosa justificação, os carros generosamente distribuídos sem serem indispensáveis ao desempenho das funções, etc. etc.

Com este atamancar na tentativa de resolver o problema, não só não se resolve a situação, não se anulam as causas e, provavelmente, não se evita o perigo que Teixeira dos Santos vislumbra.

3 comentários:

O Guardião disse...

Podemos não morrer da doença mas estamos condenados à morte por via da cura.
Cumps

RAMIRO LOPES ANDRADE disse...

COMO SOMOS MANIPULADOS PELOS GRANDES GRUPOS ECONOMICOS
.
HÁ ALGUNS ANOS ( 2003 ) TRABALHEI PARA O GRUPO SONAE, A FISCALIZAR A CONSTRUÇÃO DO SUPERMERCADO MODELO NA LAGOA, NA ILHA DE SÃO MIGUEL / AÇORES.

EM CONVERSA COM UM GESTOR DO GRUPO SONAE DOS AÇORES, FOI-ME CONFIDENCIADO QUAIS AS MARGENS DE LUCRO QUE SÃO PRATICADAS.

EM PRODUTOS ALIMENTARES A MARGEM É DE 100%, ISTO É, DE CADA 1 EURO GASTO EM AQUISIÇÃO DO PRODUTO, ESTE É VENDIDO A 2 EUROS.

NOS PRODUTOS NÃO ALIMENTARES ( ROUPA/ FERRAMENTAS/ LOUÇA/ LAMPADAS/ ETC ...), A MARGEM DE LUCRO ATINGE OS 300%, ISTO É, DE CADA 1 EURO GASTO EM AQUISIÇÃO DO PRODUTO, ESTE É VENDIDO A 3 EUROS.

A ISTO, DEVE-SE JUNTAR QUE OS PRAZOS DE PAGAMENTOS DOS FORNECEDORES GERALMENTE É DE 120 A 180 DIAS.

COMO SE NÃO BASTASSE, O FORNECEDORES SÃO OBRIGADOS NA PRIMEIRA CARGA DAS PRATELEIRAS, A PREENCHE-LAS TOTALMENTE A CUSTO ZERO, PARA A INAUGURAÇÃO DO SHOPPING.

NA INAUGURAÇÃO DO MODELO DA LAGOA - AÇORES EM 2003, O GRUPO SONAE TEVE CUSTO ZERO NA PRIMEIRA VENDA, SUPORTADA PELOS DESGRAÇADOS DOS INDUSTRIAIS E FORNCEDORES.

PARA ALÉM DISSO, SÃO EXPOLIADOS EM PROMOÇÕES DE: NATAL / PÁSCOA / DIA DOS PAIS / DIAS DAS MÃES / DIA DO CÃO / DO GATO / ETC ...... , EM QUE DE CADA DOIS OU TRES FORNECIMENTOS, UM TEM QUE SER GRATUITO PARA O GRUPO SONAE, CASO CONTRÁRIO, NÃO MAIS PODERÃO VENDER EM NENHUMA LOJA DO GRUPO NO PAÍS INTEIRO.

PARA COMPLEMENTAR O QUADRO, OS INDUSTRIAIS QUE FORNECEM AO GRUPO SONAE, SÃO " OBRIGADOS " A DIMINUIREM SUAS MARGENS, QUE JÁ SÃO MINIMAS, COM PRESSÕES PARA REDUZIREM AINDA MAIS O VALOR DE SEUS PRODUTOS, COM A CONTRAPARTIDA DE NÃO MAIS VENDEREM SEUS PRODUTOS, SE NÃO REDUZIREM O VALOR DESTES PARA OS PREÇOS INDICADOS PELA SONAE DISTRIBUIÇÃO.

FALO ISTO PORQUE LI ONTEM, QUE O GRUPO SONAE FOI A ÚNICA EMPRESA QUE ASSINOU UM JURAMENTO DE CORREÇÃO, E DIGNIDADE EMPRESARIAL, PROMETENDO UM CAPITALISMO JUSTO, E RESPEITADOR PARA COM A SOCIEDADE.

NÃO ME FAÇAM RIR ........................... VÃO É MAIS CATAR PIOLHOS !!!!!!!!!!!!!!

É ASSIM QUE TEMOS NOSSOS BOLSOS ASSALTADOS DIÁRIAMENTE, POR ESTES SENHORES, QUE ASSOCIADOS AOS POLITICOS QUE TEMOS, DEU NO QUE DEU ..............

DEVO AINDA ACRESCENTAR, QUE O GRUPO SONAE NÃO É O ÚNICO QUE AGE ASSIM, A TOTALIDADE DO EMPRESARIADO PORTUGUES TRABALHA DA MESMA MANEIRA.

É POR ESTAS, E OUTRAS QUE OS MELHORES ESTÃO A SAIR DO PAÍS, OS QUE TEM MAIS TALENTO, DINAMISMO, HONESTIDADE, FORMAÇÃO, E INTERESSE PELO BEM ESTAR DE PORTUGAL, JÁ SE FORAM, OU ESTÃO PARA IR EMBORA .......................

SERÁ TRÁGICO PARA TODOS NÓS O QUE VAI ACONTECER..........................

A DIFERENÇA ENTRE O PESSIMISTA E O OTIMISTA, É QUE O PESSIMISTA SEMPRE ESTÁ MAIS BEM INFORMADO QUE O OTIMISTA !!!!!!!!!!!!!!!!!!!

POR HOJE TERMINO.

UM ABRAÇO.

RAMIRO LOPES ANDRADE - o argelino

ramirolopesandrade.blogspot.com

A. João Soares disse...

Caro Ramiro,

Já tinha desconfianças de que o esquema seria mais ou menos este. Agora estou mais seguro. Por isso os agricultores se queixam de vender a batata a um preço ridiculamente baixo e nós as comprarmos por n vezes mais.
As lojas dos chineses estão a fazer-lhes concorrência e, por isso, tanto mal dizem dos chineses que não respeitam os direitos humanos. Ora as grandes superfícies também os não respeitam e os seus fornecedores têm que pagar salário de miséria para poderem vender os produtos por metade ou menos do valor real.
Isto é pior do que no tempo do feudalismo: o povo e a pequena empresa vive na miséria, oprimida por políticos e grandes empresas com eles conluiadas, coniventes cúmplices.
Se repararmos nas medidas para combater a crise que esses poderosos criaram, eles continuam praticamente incólumes.
É pena as pessoas, o povo em geral se recusar a pensar pela sua cabeça e tentar pensar por si, sem se deixar ir em cantigas de propaganda.

Um abraço
João
Sempre Jovens