sábado, 16 de novembro de 2019

ESPERANÇA E PROMESSAS NÃO SUSTENTAM

Esperança e promessas não sustentam
(Publicao em O DIABO nº 2237 de 15-11-2019, pág. 16)

Tenho escrito sobre a esperança num amanhã melhor e um amigo já me disse que sou um sonhador, lunático, filósofo, etc. Porém, a minha intenção não é iludir mas, apenas, mostrar que o futuro só será melhor se cada um agir em conformidade com objectivos socialmente positivos e construtivos. Não podemos nem devemos viver de esperanças, nem de promessas nem de ilusões, embora o optimismo controlado nos amenize a vida.

A esperança que esbocei no artigo anterior não é um dado adquirido, mas apenas um conjunto de indícios que podem vir a tornar-se realidade se houver pessoas com posição de decisão que tenham o bom senso de agir nesse sentido. Os grandes prémios da lotaria não nos caem no regaço se nada fizermos para isso.

Mas há decisões que parecem anedotas, como a formação do actual Governo que tem quase uma dezena de secretários de Estado de administração interna, descentralização e da administração local, conservação da natureza, das florestas e do ordenamento do território, planeamento, infra-estruturas, mobilidade, desenvolvimento regional, valorização do interior, agricultura e do desenvolvimento rural.

Será uma complicada tarefa para os cidadãos e autarquias fazer a separação das diversas áreas de “responsabilidade”, gerando uma complexa burocracia e problemas de comunicação com devoluções de assuntos que deveriam ter sido enviados para outro destinatário. Há quem se interrogue se, com esta generosidade, à custa do contribuinte, o PS conseguiu dar cargo no Governo a todos os seus amigos. Mas há quem responda que o PM fez um bom aproveitamento desta oportunidade para combater o desemprego dos amigos que não têm a mínima capacidade para viver de trabalho honesto. E essa luta contra o desemprego vai, certamente, abranger dezenas de ‘boys’ para lugares de assessores, etc. E há quem preveja que, tal como outros jovens semelhantes, vão passar o tempo agarrados aos seus telemóveis em gabinetes luxuosos sem perigo de serem atropelados na rua.

E também surge quem se interrogue: qual será a reacção da UE? Para que serve a UE que não vê este desaforo irracional de saque aos bolsos dos contribuintes?

Mas quando pensei no tema deste trabalho pretendia que não fosse dado significado exagerado aos sinais de esperança da Humanidade, porque há muitas situações concretas e a esperança e as promessas não sustentam a vida, embora todos devamos fazer o máximo para haver melhor harmonia colectiva. Infelizmente, a racionalidade nem sempre coloca o ser humano acima dos ditos irracionais cujas vidas nos dão lições muito válidas.

Sinais preocupantes e pouco animadores chegam das crises políticas, na Venezuela, na Guiné-Bissau, na Argentina e até aqui perto, na Espanha. No Reino Unido, a falta de entendimento do Brexit fruto do referendo de 5 de Janeiro de 2016 promete agora ser solucionado até 31 de Janeiro próximo, passados mais de quatro anos. Para haver esperança real e confiante no futuro harmonioso da Humanidade, é indispensável um respeito religioso pelos valores éticos e pela moral social de forma mais do que nunca. Mas, infelizmente, actualmente a humanidade está mais degradada do que em qualquer época histórica. Hoje não se respeita nada nem ninguém, a não ser o vil metal, essa droga diabólica que é tão ilimitada que nem provoca overdose. O seu efeito exterioriza-se na vaidade, na inveja, na arrogância, na corrupção, no roubo, na prepotência, enfim, em tudo o que há de pior no relacionamento entre as pessoas.

A esperança apenas ajuda a suportar as agruras da vida, embora mereçam consideração aqueles que à sombra dele procurem que os seres humanos mereçam mais o adjectivo de racionais, como superioridade aos ditos “irracionais”. ■

Ler mais...

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

ESPERAMOS UM MUNDO MAIS RACIONAL

Esperamos um Mundo mais racional
Publicado em DIABO nº 2236 de 08-11-2019. Pág 16

Actualmente, ouve-se falar muito contra a história e os feitos heróicos que nos davam orgulho do passado e nos ajudavam a suportar as incertezas ou maus auspícios sobre o amanhã e o pessimismo, desde as alterações climáticas à crise económica ou à guerra, que começam a afectar a saúde mental. E é dado muito relevo à violência a vários níveis, quer doméstico quer internacional, sem se apontarem sinais motivadores de esperança salutar.

Mas, felizmente, há sinais de optimismo e de esperança, embora pareçam não ser do gosto dos jornalistas, que começam a brilhar como luz ao fundo do túnel e merecem ser sublinhados pelo muito que representam para quem se preocupa com o futuro da humanidade, não só pelo seu significado local mas, principalmente, por deverem servir de exemplo e incentivo para os detentores do Poder a nível das Nações e das Instituições Internacionais.

Há variados casos que merecem ser bem apreciados pelo que representam de exemplo a seguir por todos os governantes e por todas as pessoas. Notícia de 18 de Outubro diz que o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou “fortemente” o ataque a uma mesquita no Afeganistão, que provocou 62 mortos e 36 feridos. E, provavelmente, este nosso compatriota não se deve ter ficado pelas palavras e, de forma mais ou menos directa, deve ter accionado a ONU a fim de acabar com este tipo de ataques selvagens e cobardes que tiram a vida a muitas pessoas inocentes.

E tal provável acção de Guterres pode estar na origem do facto noticiado no dia 23 de que movimento talibã participa na China, nos dias 28 e 29, numa nova ronda de diálogo inter-afegão para a paz. Oxalá este diálogo tenha êxito e ponha fim à guerra que, há 28 anos, tem dizimado a população do Afeganistão, sem benefício para ninguém a não ser para os fabricantes de armas e munições.

Outro caso, este com nítida acção da ONU, passa-se na Guiné-Bissau em que são notadas dificuldades entre várias forças políticas, quando se aproximam as eleições presidenciais, e onde foi criada uma Comissão da Configuração da Paz da ONU para a Guiné-Bissau, sendo presidente o embaixador brasileiro Mauro Vieira. Este, em consonância com o multilateralismo defendido pela «estratégia dos três M», nos dias em que se deslocou a Bissau, reuniu-se com as autoridades nacionais, órgãos responsáveis pela organização das eleições, partidos políticos, sociedade civil e parceiros internacionais. Nos seus contactos, durante a estada de dois dias, disse a todos que todas as dificuldades que possam surgir no caminho devem ser superadas pelo consenso, pela negociação, pelo diálogo.

Também, em sintonia com a repulsa da violência e da guerra e pela defesa do diálogo e da negociação, o Fundo Monetário Internacional (FMI) fez um apelo ao crescimento global e à renúncia aos conflitos comerciais que põem em causa esse crescimento. Os membros do FMI, durante a assembleia geral de Outono, encerrada, há poucos dias, em Washington, debateram como aumentar a “pressão do grupo” sobre os países em confronto comercial, de modo a que melhorem e respeitem as regras globais do comércio, disse a directora-geral da instituição na conferência de imprensa de encerramento dos trabalhos. Nestes, um dos principais temas de discussão na assembleia foi o da tensão comercial entre os EUA Unidos e a China.

Também a Rússia advertiu que a situação de tensão no nordeste da Síria, onde se acordou uma trégua na operação militar turca contra as milícias curdas, pode prejudicar o processo de negociação política. A isto a Turquia afirmou que “não tem necessidade” de retomar a sua ofensiva contra as forças curdas no norte da Síria.

Estes exemplos aqui referidos mostram- -nos razões de esperança de que o Mundo irá entrar na racionalidade e pretender atingir os fins prognosticados pelo comentador político Kishore Mahbubaini na sua «estratégia dos três M». ■

Ler mais...

terça-feira, 5 de novembro de 2019

IMAGENS DO CAS RUNA

Imagens do Centro de Apoio Social de Runa (CAS RUNA) para poder matar futuras saudades de dois anos de «residente» nesta casa e para, com elas, demonstrar a minha gratidão e agradáveis recordações da amizade, carinho e respeito sempre evidente nos outros residentes e nas pessoas da Direcção e dos serviços de apoio, sempre delicadas e disponíveis para ajudar a resolver qualquer dificuldade. Levo-os devidamente instalados na sala mais primorosa do meu coração e desejo voltar a vê-las a qualquer momento. Esta Amizade merece um carinho muito especial.

Ler mais...

sábado, 2 de novembro de 2019

DISCURSO DE KISHORE MAHBUBANI

Com a ONU activa, o Ocidente e todo o mundo podem ter um futuro pacífico e progressivo

Esta transcrição do discurso de Kishore Mahbubani foi publicado inicialmente no blog «Sempre Jovens», mas a quantidade de visitantes teve um tal aumento que decidi trazê-lo para aqui para agrado dos muitos visitantes que aqui costumem vir.


Discurso  por Kishore Mahbubani


Há uns 200 anos, Napoleão avisou: «Deixem a China dormir porque, quando ela acordar, vai abalar o mundo».


Apesar deste aviso antigo, o Ocidente decidiu adormecer, precisamente na altura em que a China e a Índia e o resto da Ásia, acordaram. Porque é que isto aconteceu?


Venho aqui falar deste grande mistério. O que é que eu quero dizer, quando digo que o Ocidente decidiu adormecer?


Refiro-me ao fracasso do Ocidente em reagir, de forma inteligente e cuidadosa, a um novo ambiente mundial que, obviamente, tem sido criado com o regresso da Ásia.


Enquanto amigo do Ocidente, sinto-me angustiado com isto, por isso o meu objectivo hoje é tentar ajudar o Ocidente.


Mas, primeiro, tenho de começar a história, falando de como o Ocidente acordou o resto do mundo.


Desde o ano um ao ano 1820, as duas maiores economias do mundo foram sempre as da China e da Índia. Só nos últimos 200 anos é que a Europa avançou, seguida pela América do Norte. Os últimos 200 anos da história mundial foram, pois, uma grande aberração histórica. Todas as aberrações chegam a um fim natural e é isso que estamos a ver.


Se observarmos o gráfico dois, vemos com que rapidez e pujança a China e a Índia estão a regressar. O grande problema é: Quem acordou a China e a Índia? A única resposta honesta a esta pergunta é que foi a civilização ocidental que fez isso.


Todos sabemos que o Ocidente foi o primeiro a modernizar-se com êxito, a transformar-se, a usar inicialmente o seu poder para colonizar e dominar o mundo.


Mas, com o tempo, partilhou os dons da sabedoria ocidental com o resto do mundo. Vou acrescentar que, pessoalmente, beneficiei com a partilha da sabedoria do Ocidente. Quando nasci, em Singapura, que, na altura, em 1948, era uma pobre colónia britânica, tal como três quartos da humanidade, nessa época. Vivi em extrema pobreza. No primeiro dia em que fui para a escola, aos seis anos, fui colocado num programa especial de alimentação porque, tecnicamente, fui considerado malnutrido. Como veem, agora estou muito bem nutrido.


Mas a melhor coisa que me deram foi o ensino ocidental. Como, pessoalmente, fiz este percurso da pobreza do terceiro mundo para uma existência confortável da classe média, posso falar com grande convicção sobre o impacto da sabedoria Ocidental e a partilha da sabedoria do Ocidente com o mundo. Um dom em especial que o Ocidente partilhou foi o ato de raciocinar.


O raciocínio não foi inventado pelo Ocidente. é inerente a todas as culturas e a todas as civilizações. Amartya Sen descreveu como o raciocínio está profundamente embebido na civilização indiana. Mas também não há dúvida de que foi o Ocidente que desenvolveu a arte do raciocínio a um nível muito mais elevado. Através da Revolução Científica, do Iluminismo, da Revolução Industrial, o Ocidente elevou-o grandemente e, de modo igualmente importante, usou-o, aplicou-o para resolver muitos importantes problemas práticos.


Depois, o Ocidente partilhou esta arte do raciocínio com o resto do mundo. Posso dizer-vos que isso levou àquilo a que chamamos as revoluções silenciosas.


Enquanto asiático, posso descrever como essas revoluções silenciosas transformaram a Ásia.


A primeira revolução foi a económica. A principal razão por que tantas economias asiáticas, incluindo as sociedades comunistas da China e do Vietname, têm funcionado tão espectacularmente bem no desenvolvimento económico, é porque finalmente perceberam, absorveram e implementaram as economias de mercado livre — um presente do Ocidente.


Adam Smith tinha razão. Se deixarmos os mercados decidirem, a produtividade aumenta. O segundo presente foi psicológico. Também aqui posso falar por experiência pessoal. Quando eu era jovem, a minha mãe e a geração dela acreditavam que a vida era determinada pelo destino. Não podíamos fazer nada quanto a isso. A minha geração e a geração dos asiáticos depois de mim, acreditam que podemos ser responsáveis e podemos melhorar a nossa vida.


Isto pode explicar, por exemplo, o pico de empreendedorismo que vemos actualmente por toda a Ásia. Se viajarmos hoje pela Ásia, também veremos os resultados da terceira revolução, a revolução da boa governação. Como resultado da boa governação, se viajarem pela Ásia, verão melhores cuidados de saúde, melhor ensino, melhores infraestruturas, melhores políticas públicas. É um mundo diferente. Ora bem, depois de transformar o mundo através da partilha da sabedoria ocidental com o resto do mundo, a resposta lógica e racional do Ocidente devia ter sido dizer: "Temos de nos ajustar e adaptar a este novo mundo".


Em vez disso, o Ocidente optou por dormir. Porque é que isso aconteceu? Eu creio que aconteceu porque o Ocidente ficou distraído com dois importantes acontecimentos:

O primeiro acontecimento foi o fim da Guerra Fria. Sim, o fim da Guerra Fria foi uma grande vitória. O Ocidente derrotou a poderosa União Soviética, sem disparar um tiro. Espantoso!
Mas, quando temos uma grande vitória como esta, também leva à arrogância e à sobranceria. Esta sobranceria foi bem captada num conhecido ensaio de Francis Fukuyama, chamado "O Fim da História". Fukuyama tentava transmitir uma mensagem muito sofisticada mas tudo o que o Ocidente captou desse ensaio foi que nós, as democracias liberais tínhamos triunfado. Não tínhamos de mudar, não tínhamos de nos adaptar, o resto do mundo é que tinha de mudar e de se adaptar.

Infelizmente, tal como um ópio perigoso, este ensaio fez muitos estragos no cérebro do Ocidente, porque pô-lo a dormir exactamente na altura em que a China e a Índia estavam a acordar. e o Ocidente não se ajustou nem se adaptou.


O segundo acontecimento importante foi o 11 de Setembro que ocorreu em 2001. Como sabemos, o 11/set causou um grande choque e dor. Pessoalmente, vivi esse choque e dor porque estava em Manhattan quando o 11/set ocorreu. O 11/set também gerou muita raiva, e, nesta raiva, os EUA decidiram invadir o Afeganistão e, posteriormente, o Iraque.

Infelizmente, em parte, como resultado desta raiva, o Ocidente não reparou noutro acontecimento significativo que ocorreu também em 2001. A China juntou-se a Organizações Comerciais Mundiais.

Quando injectamos, subitamente, 900 milhões de novos trabalhadores no sistema capitalista mundial, isso leva naturalmente ao que o economista Joseph Schumpeter chamou "destruição criativa". Os trabalhadores ocidentais perderam os seus postos de trabalho, viram as suas receitas a estagnar. Nitidamente as pessoas tinham de pensar em novas políticas competitivas, os trabalhadores precisavam de novas formações, precisavam de novas competências. Nada disso foi feito.


Em parte, como resultado disso, os EUA tornaram-se na única grande sociedade desenvolvida em que o rendimento médio dos 50% de baixou— sim, 50% —o rendimento médio baixou, num período de 30 anos, entre 1980 e 2010, Em parte, como resultado disso, chegámos, em 2016, à eleição de Donald Trump que explorou a raiva das classes trabalhadoras, que são predominantemente brancas.


Isso também contribuiu para o aumento do populismo na Europa. Não podemos deixar de pensar como esse populismo podia ter sido evitado se o Ocidente não tivesse andado distraído com o fim da Guerra Fria e do 11/set.


Mas a grande questão que hoje enfrentamos é esta: Será tarde demais? O Ocidente perdeu tudo? A minha resposta é que não é tarde demais. É possível que o Ocidente recupere e volte em força. Usando a arte de raciocínio do Ocidente, eu recomendo que o Ocidente adopte uma nova estratégia de "três M": minimalista, multilateral e maquiavélica.


Porquê minimalista? Apesar de ter acabado o domínio do Ocidente, o Ocidente continua a intervir e a interferir nos assuntos de muitas outras sociedades. Isso é insensato. Está a gerar raiva e ressentimento, especialmente nas sociedades islâmicas. Também está a esgotar os recursos e o espírito das sociedades ocidentais. Eu sei que o mundo islâmico está a ter dificuldade em se modernizar. Vai ter de encontrar o seu caminho, mas é mais provável fazer isso se o deixarem fazer sozinho. Eu posso dizer, com alguma convicção porque sou duma região, do sudeste asiático, que tem quase tantos muçulmanos como o mundo árabe, são 266 milhões de muçulmanos. O sudeste asiático é um dos continentes mais diversificados do planeta, porque também temos 146 milhões de cristãos, 149 milhões de budistas — budistas Mahayana e budistas Hinayana —e também temos milhões de taoístas, de confucionistas e de hindus e até comunistas. Outrora conhecido por "os Balcãs da Ásia", o sudeste asiático devia estar a sofrer hoje um choque de civilizações. Em vez disso, vemos que o sudeste asiático é um dos cantos do planeta mais pacíficos e mais prósperos com a segunda organização regional,multilateral de maior êxito, a ASEAN. Nitidamente, o minimalismo pode funcionar.


O Ocidente devia tentar. Mas reconheço que o minimalismo, só por si, não pode resolver todos os problemas. Há problemas difíceis que têm de ser tratados: a Al-Qaeda, o ISIS. Mantêm-se ameaças perigosas. Têm de ser encontrados, têm de ser destruídos. A questão é: Será sensato que o Ocidente que representa 12% da população mundial, — sim, só 12% — combata essas ameaças sozinho? Ou deve lutar com os restantes 88% da população mundial? A resposta lógica e racional é que devemos trabalhar com os restantes 88%. Onde é que vamos se quisermos arranjar o apoio da humanidade? Só há um local: as Nações Unidas. Eu já fui embaixador nas Nações Unidas, duas vezes. Talvez por isso, possa estar um pouco influenciado, mas posso dizer-vos que trabalhar com a ONU pode levar ao êxito. Porque é que foi um êxito a primeira guerra iraquiana, travada pelo presidente George H. W. Bush? Enquanto que a segunda guerra iraquiana, travada pelo filho dele, o presidente George W. Bush, foi um fracasso? Uma razão principal é que o Bush pai foi às Nações Unidas para obter o apoio da comunidade global, antes de travar a guerra no Iraque


Assim, o multilateralismo funciona. Há outra razão por que temos de trabalhar com a ONU. O mundo está a encolher. Estamos a tornar-nos numa aldeia global pequena e interdependente. Todas as aldeias precisam de conselhos de aldeia. O único conselho mundial que temos, como disse Kofi Annan, o falecido Secretário-Geral da ONU, é a ONU. Enquanto analista geopolítico, sei muito bem que, muitas vezes, considera-se uma ingenuidade trabalhar com a ONU.


Agora, vou injectar o meu ponto maquiavélico. Maquiavel é uma figura muito denegrida no Ocidente, mas o filósofo liberal Isaiah Berlin recordou-nos que o objectivo de Maquiavel era promover a virtude, não o mal. Então qual é o ponto de Maquiavel? É este: qual será a melhor forma para o Ocidente restringir as novas potências emergentes? A resposta é: A melhor resposta para as restringir é através de regras multilaterais e normas multilaterais, instituições multilaterais e processos multilaterais.


Agora, vou terminar com uma importante mensagem final. Como amigo de longa data do Ocidente, tenho plena consciência de como as sociedades ocidentais se tornaram pessimistas. Muita gente no Ocidente não acredita que tem um grande futuro à sua frente, nem que os seus filhos terão uma vida melhor. Portanto, por favor, não receiem o futuro ou o resto do mundo. Posso dizer com alguma convicção o porque, enquanto hindu sindi, sinto uma ligação cultural direta com culturas diversas da sociedade e com sociedades desde o Teerão a Tóquio.


Mais de metade da humanidade vive neste espaço. Portanto, com esta ligação cultural directa, posso dizer com grande convicção que, se o Ocidente optar por adoptar uma estratégia mais sábia de ser minimalista, multilateral e maquiavélica, o resto do mundo ficará contente por trabalhar com o Ocidente. Portanto, um grande futuro perfila-se para a humanidade. Vamos adoptá-la em conjunto.


Obrigado


Ler mais...

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

A ESTRATÉGIA DOS TRÊS M

A estratégia dos três M
Public em DIABO nº 2235 de 01-11-2019 pág 16, por António João Soares

Não resisto à tentação de referir a melhor lição que recebi nos últimos tempos. Trata-se de um vídeo em que o comentador político Kishore Mahbubaini, numa alocução em que explica a situação da crise comercial entre o Ocidente e o Oriente, começando por analisar a evolução cultural e social da humanidade a partir da Europa e impulsionada pela globalização iniciada pelos descobrimentos portugueses que levaram a fé, a ciência e a tecnologia aos povos mais distantes.

Há dois séculos, Napoleão Bonaparte avisou: “Deixem a China dormir porque, quando ela acordar, vai abalar o mundo”. Ele previa que o saber do Ocidente tinha chegado ao Oriente e iria ser aproveitado positivamente. E isso em breve começou a ter efeitos muito visíveis na China, na Índia, no Sudeste Asiático, como na América e também em África.

O Ocidente adormeceu à sombra do sucesso e, quando acordou, reagiu da pior forma e, em vez de procurar assumir a sua superioridade de outrora e continuar em frente, actuou arrogantemente, procurando impor a superioridade militar. Têm sido notáveis as inúmeras ingerências por meios militares da América, algumas com insucesso, como no Vietname, na Somália, no Iraque, na Síria, no Afeganistão, etc.

Este comentador afirma a possibilidade de o Ocidente recuperar a sua superioridade no Mundo se seguir a estratégia dos “Três M”: minimalista, multilateral e maquiavélica. Minimalista, evitando intervir e interferir nos assuntos de muitas outras sociedades, deixando que elas procurem a sua evolução, e, em caso de elas pedirem, dando-lhes ajuda em paz e harmonia.

Multilateral, obtendo o apoio da comunidade global, antes de travar guerra ou tomar outra decisão que traga perigo para outros. Esse apoio pode provir da ONU ou de outras instituições internacionais com prestígio. E recorda que o êxito da primeira guerra iraquiana, travada pelo presidente George H. W. Bush, se deveu a prévio apoio da ONU, enquanto a segunda, travada pelo filho, fracassou por ter sido de iniciativa e de palpite individual baseado em notícias falsas.

Maquiavélico, promovendo a virtude e evitando o mal. Neste aspecto há que esclarecer que Maquiavel, cuja imagem tem sido enegrecida, tinha por objectivo, segundo o filósofo Isaiah Berlin, promover a virtude e afastar ou evitar o mal.

Portanto, neste aspecto da estratégia, a melhor forma para o Ocidente controlar as novas potências emergentes é seguir regras multilaterais, normas multilaterais, instituições multilaterais, processos multilaterais.

Aplicando esta estratégia, Kishore Mahbubaini, que foi embaixador nas Nações Unidas duas vezes, está convencido de que, com o pessimismo que tem existido no Ocidente, muita gente não acredita que a nossa área ocidental tem um grande futuro à sua frente e que os seus filhos terão uma vida melhor. Para isso, será bom que as Nações Unidas, além das palavras de que “condena o ataque a mesquita no Afeganistão que matou 62 pessoas”, deve organizar uma actividade global a incentivar a harmonia e a paz mundial de acordo com a norma religiosa “amai-vos todos como irmãos”, mas realizando um amor recíproco e não apenas unilateral.

Será bom que condene todas as actividades conducentes à violência, como o fabrico de armas e a manutenção de paióis de bombas altamente destrutivas. Para isso, será bom começar com o exemplo dos cinco membros permanentes do CS da ONU, de eliminarem as suas armas nucleares, com o testemunho de comissão de observadores independentes eleitos pelos países mais pequenos da ONU. Assim, a ONU merece respeito dos seres humanos mundiais e prepara a concretização das aspirações da estratégia dos “Três M”. Mas será conveniente que os Estados sejam governados por pessoas com cabeça pensadora e respeito pelas pessoas e não se deixem dominar por ambição e vaidade. ■

Ler mais...

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

É PRECISA OPOSIÇÃO ACTIVA E CONSTRUTIVA

É precisa oposição activa e construtiva

DIABO nº 2234 de 25-10-2019, pág 16

Fala-se que a direita (PSD e CDS) vai entrar em “renovação”. Porém, o que se diz parece referir-se apenas à preparação para uma próxima oportunidade de vitória eleitoral. Seria mais desejável que se falasse de projectos para estruturar um futuro mais brilhante para Portugal, quer na economia de que resultasse uma melhor qualidade de vida para os portugueses, quer também um crescimento do património nacional que, nas últimas quatro décadas, tem perdido em variados aspectos. Essa prioridade dos interesses nacionais acima das ambições, embora legítimas, dos partidos, valoriza estes aos olhos dos eleitores, do que resultarão mais votos em futuro pleito eleitoral.

Pode argumentar-se que tais planos estratégicos, de longo alcance, poderão ser aproveitados pelo Governo em exercício, que ganhará louros com isso. Para Portugal e os portugueses, esse aproveitamento não teria qualquer inconveniente e, do ponto de vista partidário, o partido pai da ideia poderá e deverá tornar público que a ideia foi sua e teve muito prazer em ter contribuído com ela, para melhorar a vida dos cidadãos e o crescimento nacional. E pode e deve acrescentar que novas ideias serão apresentadas, pois todos devemos fazer o possível para bem de Portugal. É que uma boa ideia não deve ser escondida, porque os objectivos mais valiosos de qualquer instituição pública devem visar o engrandecimento do país e o bem-estar dos cidadãos e, por isso, sentir-se-ão felizes e orgulhosos por darem bons contributos ao País, mesmo que a sua ideia tenha sido aproveitada por quem no momento está ao leme do Governo, o que é natural. E, se isso for tratado com transparência e patriotismo e for adequadamente publicitado, acabará por induzir os eleitores a elevar o conceito sobre a competência e a actividade do partido, o que será traduzido por votos.

Como disse no artigo publicado em 20 de Setembro de 2016, um partido na oposição “deve, como em tudo na vida, encarar o facto da maneira mais positiva e tirar dele os melhores benefícios, para o País e para o futuro do partido”. Esse período de “repouso” deve ser aproveitado como um estágio de preparação para o desejado próximo período de governação. Para que este se concretize, convém ir dando aos eleitores a noção de que dispõe de boas intenções e de uma estratégia bem estudada, bem organizada e programada que contribuirá para uma vida melhor nos dias que virão, em benefício de todos os cidadãos.

Com tal procedimento, a vida política nacional deixará de ser uma guerra de palavras agressivas entre os partidos e passará a ser um trabalho convergente de colaboração para o grande objectivo do engrandecimento de Portugal e sairá beneficiado aquele que mostrar ao povo que possui mais dedicação, competência e perspicácia para escolher as melhores vias estratégicas para o conseguir, em respeito pela nação, pela sua História de mais de oito séculos e por aquilo que há de melhor nas tradições sociais.

Precisamos de ressurgimento e mudança drástica, depois de quase meio século de degradação nos sectores essenciais da nossa sociedade. E a oposição, liberta de apertados condicionamentos legais, deve repensar o futuro e elaborar, para isso, projectos e propostas de valor, sem se deter com palavras falaciosas e vazias de conteúdo, apenas destinadas a criar ilusões nas cabeças mais vazias, como infelizmente vem acontecendo com os detentores do poder. Devem ser evitadas promessas, sem fundamento real em estudos preparatórios que garantam a sua realização. A propaganda deve ser baseada em acções e não em palavras vazias e enganadoras.

Na elaboração de projectos e propostas, devem ser encarados os temas do combate à corrupção e ao esbanjamento do erário, o melhor funcionamento dos serviços públicos, educação, saúde, justiça, recuperação do património nacional, etc. ■

Ler mais...

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

A JOTA PODE SER SOLUÇÃO!

A jota pode ser solução?
DIABO nº 2233 de 18-10-2019 pág 16. Por António João Soares

Segundo Pedro Soares Martínez fez constar no seu artigo de O DIABO nº 2230, hoje, nos países latinos, os políticos são provenientes de advogados sem causas, escritores falhados, professores sem amor aos livros, médicos sem clínica, engenheiros sem colocação, etc.

Isto faz-me recordar um texto já com alguns anos que referia a ida da D. Maria José, de uma aldeia próxima, à cidade comprar uma camisa para o neto António Carlos. Foi muito bem recebida pelo dono da loja, já conhecido de longa data, que, no meio dos cumprimentos e da conversa, lhe perguntou como o rapaz ia nos estudos. A avó despejou a sua mágoa por ele não gostar de dedicar muito tempo aos livros e preferir as brincadeiras com outros rapazes, o que, segundo ela, lhe tornava difícil realizar os objectivos que a família esperava dele, desejando que viesse a ser doutor, satisfazendo a vaidade dele e da família e permitindo uma vida desafogada, sem dificuldades nem problemas financeiros.

Os desabafos da avó mostravam grandes preocupações familiares e comoveram o dono da camisaria, Manuel Afonso, que tentava sossegar o ânimo da cliente, dizendo-lhe que esta juventude de agora é diferente daquilo que foram os seus pais, etc. E, a dada altura da conversa, sugeriu a solução adoptada por um cliente ali vizinho que falou com o líder local de partido bem cotado para convencer o seu filho, também avesso aos estudos, a inscrever-se na juventude a fim de procurar sucesso na vida que suprisse a falta de jeito e de vontade para estudar. O rapaz entusiasmou-se e, com a vaidade a crescer, dedicou-se à realização das tarefas que lhe eram dadas, foi trabalhar para a Câmara, alimentou a esperança de vir a ser vereador, movido pela vaidade e ambição e, influenciado pelos mais idosos, continuou a estudar e a querer fazer figura, e lá se ia esforçando um pouco.

Mas a Maria José continuava presa aos objectivos que esperava ver atingidos pelo neto, repetia que a família desejava que ele viesse a ser doutor, mas o Manuel Afonso respondia que ele podia vir a ser deputado, podia fazer uns favores a uma universidade que, em troca, lhe poderia dar um diploma; e citava um primeiro-ministro a quem, pouco tempo antes, uma universidade tinha mandado entregar, num Domingo, o diploma de licenciatura e referiu outros casos com aspectos semelhantes. Além disso, ele vai aprendendo as habilidades e as manhas dos políticos e, com facilidade, se torna rico e até milionário sem suar nem fazer calos, causando inveja aos actuais companheiros da escola que matam a cabeça para obter boas notas, mas sem aprenderem a maneira de arranjar fortuna.

De entre as habilidades citou o domínio da Comunicação Social, para manter a população de cérebro lavado e vazio, a preocupar-se com ninharias e afastada dos problemas essenciais que devem ser desviados das conversas para não colocarem em más condições as posições dos políticos, por estes não serem capazes de encontrar soluções para o que realmente interessa à população. Por isso evitam que esta vá alem do futebol e crie problemas aos governantes.

Essa lavagem de cérebro tem agora uma artista, a Greta, que à margem da ciência agride verbalmente pessoas com responsabilidade, com fantasias sem o mínimo de saber científico mas que cala a boca de gente a quem falta saber e discernimento para distinguir o que é científico daquilo que não passa de fantasias. E há muito dinheiro por detrás de tais palhaçadas que permitem lucros compensadores em negócios para lutar contra fantasmas que o povo leva a sério.

Veja-se o discurso que Vladimir Putin leu, em ambiente solene, a alertar os governantes ocidentais que desprezam a sensatez e a racionalidade. ■

Ler mais...

sexta-feira, 11 de outubro de 2019

A HUMANIDADE NÃO DESISTE DA VIOLÊNCIA!

A Humanidade não desiste da violência? DIABO 2232 de 11-1º-2019.Por António João Soares

Infelizmente, o ser humano, apesar do desenvolvimento e dos apelos religiosos durante muitos séculos, continua apegado a ambições, vaidades, violências que o tornam mais irracional do que os animais a que os nossos antepassados aplicaram tal adjectivo.

Há dias, vi um vídeo que mostrava uma arena ocupada por uma espécie de formatura militar de jovens espaçados de cerca de 3 metros entre si. Abriram-se as portas do curro e saltou para fora um touro, com ar agressivo, mas que ficou espantado por ver aquela gente completamente imóvel, sem representar qualquer perigo para ele que se passeou em várias direcções entre eles com serenidade e completamente à vontade. Nisto, vê mexer lá ao fundo uma capa e correu para ela, tendo parado quando ela se imobilizou e deixou de ser ameaça à sua segurança, e continuou o seu passeio.

O Google tem divulgado várias imagens que evidenciam a solidariedade e amizade entre vários animais sem problemas de raça, tamanho ou cor, quando não têm motivo para recear pela sua segurança e vida. Mas os seres humanos são, muitas vezes, ambiciosos, ostensivamente vaidosos o que pode levá-los a falsos medos, a ódios, a raivas e a desejos de vingança que podem levar a violências impensáveis. Aparecem notícias chocantes, mesmo de familiares que se assassinam.

E o que se passa em pessoas, em famílias, em grupos de fãs clubistas, passa-se também nos mais altos níveis dos poderes políticos internacionais. As guerras não acontecem por acaso. As indústrias de armamento defendem o seu negócio e procuram, pelas mais variadas formas e pretextos, vender material letal a diversos Estados e a grupos terroristas (muitas vezes apoiados por rivais dos alvos que escolhem). Têm sido frequentes, na Comunicação Social, notícias sobre actos de violência em África e, principalmente, no Médio Oriente e Ásia. Tenho presente o assunto do ataque de ‘drones’ no dia 13 de Setembro contra duas instalações petrolíferas sauditas, reivindicado por rebeldes iemenitas Huthis e que deu origem a acusação ao Irão de ser o mandante de tal acção violenta que obriga a Arábia Saudita, o maior exportador mundial de petróleo, a reduzir temporariamente a sua produção para metade, com grande aumento de preço aos consumidores.

Tal acusação assenta em factores como a ambição iraniana de restaurar o antigo Império Persa de Dario que tem dado origem a variadas acções na região do Golfo Pérsico, retenção de petroleiros no Estreito de Ormuz e nas intervenções no Iraque, na Síria e no Iémen e à intenção de criação de armas nucleares, objecto do acordo de Junho de 2006 com o grupo P5+1 e cujo incumprimento tem dado lugar a retaliações comerciais por parte dos EUA. Esta situação de persistente intenção de violência é confirmada por indícios vindos a público com frequência, como a acusação recente de Israel de que o Irão tem ocultado “uma instalação secreta” onde desenvolve testes com armas nucleares.

Sobre a eliminação da violência extrema, o Conselho de Segurança da ONU decidiu a desnuclearização mundial que serviu de pretexto para os EUA negociarem com a Coreia do Norte a paragem das investigações e intenções de criar armas nucleares, mas tal decisão do CS está eivada de prepotência e arrogância dos seus membros permanentes que impõem ao mundo aquilo que consideram ser seu próprio direito. Como tal decisão, tendo uma intenção louvável não devia admitir excepções, aqueles cinco Estados deviam decidir-se a dar o exemplo, desmontando as suas armas, por forma visível, perante um grupo internacional de observadores isentos, a fim de o mundo não ter dúvidas. E, a partir daí, um Estado que infringisse a determinação seria adequadamente castigado. Com atitudes deste género iniciar-se- -ia uma nova era de diálogo e negociação para resolver qualquer pequeno conflito de interesses, entre pessoas verdadeiramente racionais e solidárias, sem recurso a violência inocentes. ■

Ler mais...

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E AMBIENTE

Alterações climáticas e Ambiente

DIABO nº 2231 de 04-10-2019, pág 16 por António João Soares

Ultimamente, têm sido ditas muitas coisas como sendo úteis para evitar alterações climáticas mas, segundo opiniões de pessoas com formação sobre o tema, essas opiniões pretensiosas de nada valem para alterar aquilo que a Natureza já está a fazer. Porém, na generalidade, as iniciativas aconselhadas são benéficas para melhorar a qualidade do ambiente, beneficiando as nossas vidas com melhor saúde, comodidade e agrado.

Será bom que as pessoas com responsabilidades no País e no exterior sejam mais prudentes e deixem de citar as alterações climáticas quando se devem limitar a referir os cuidados para a defesa do ambiente. Quanto ao clima, nada de muito significativo se pode fazer a não ser as medidas referidas mais abaixo, saídas de mentes bem formadas e intencionadas.

E não se deve esquecer que, para resolver problemas essenciais, não bastam palavras mesmo que sejam bem intencionadas, como aconteceu no caso da “criação de uma estratégia nacional integrada de redução de plásticos” que, devido a falta de informação, foi impedida de início, sem modos de reduzir a vulnerabilidade do país à tal poluição. Na ausência de informações sobre os impactos ecológicos, sociais, económicos e para a saúde da poluição por plástico, não só se impede uma estratégia de redução como a determinação de um investimento de gestão dos resíduos. Aos agentes económicos, às autoridades em geral e ao povo consumidor deve ser oferecido conhecimento e sensibilidade para contribuírem para a resolução do problema com eficácia. É pena os nossos governantes não terem a noção de que a legislação não vale apenas por estar no papel, pois precisa de ser compreendida e assumida por aqueles a quem se destina.

Porém, a temida alteração climática já está em curso com vários aspectos visíveis que aconselham adaptações adequadas nos nossos comportamentos pessoais e de algumas actividades económicas, por forma a que as nossas vidas e a ligação com a fauna e a flora não sejam demasiado lesadas pelas alterações que nos são impostas. Neste aspecto, já há trabalhos de técnicos agrários e agrónomos, muito conscientes e atentos ao problema, que se afastam das palavras falaciosas de “jovens sábios” desprovidos de sentido prático e de conhecimentos científicos, e estão a experimentar soluções para fazer face às novas alterações climáticas em zonas mais sensíveis e onde já se sente o aumento da temperatura e os sinais de escassez de água.

A posição positiva e bem fundamentada de técnicos agrários vem, concretamente, contrariar certas intenções infantis de querer contrariar a força da Natureza que pode ser semelhante a muitas outras ocorridas na longa vida do nosso Planeta. A Natureza não se subordina aos habitantes, como aconteceu quando criou o Oceano Atlântico, cortando o continente africano, ou quando prepara novo corte, também em sentido próximo dos meridianos, na parte Leste do mesmo continente. O homem não tem poder para evitar as alterações climáticas, por mais teatro que faça, com a Greta ou com outras enviadas pelo grande capital. Medida inteligente é a alteração dos nossos hábitos para sobrevivermos a carências que surjam, como é tomado bem evidente pela notícia “O montado ibérico desafia as alterações climáticas”, com empresários agrícolas ibéricos a tomar medidas para o melhor aproveitamento dos terrenos, em benefício das pessoas, da fauna e da flora, por forma a evitar graves consequências das secas que se anunciam. Um novo sistema de exploração do montado, tornando as explorações mais produtivas e rentáveis e, ao mesmo tempo, fixando população no meio rural, em grande parte despovoado, é uma solução inteligente e bom caminho a seguir.

Como a intenção da redução de plásticos, também as conclusões dos trabalhos de investigação para se obter a melhor adaptação às alterações climáticas necessitam de boa e adequada divulgação a toda a população, principalmente a ligada ao meio rural, para se obterem os melhores resultados e se evitarem ao máximo os incómodos da mudança. ■

Ler mais...

quinta-feira, 26 de setembro de 2019

VOTAR COMO?

Votar como? 
(Publ. em O DIABO nº 2230 de 27-09-2019 pág 16, por António João Soares)

Estamos próximos da data de exercer o direito e dever de votar numa de entre muitas listas de candidatos às eleições legislativas. Votar é próprio da democracia, embora esta não esteja a corresponder, satisfatoriamente, aos fins que dela são esperados.

Com efeito, escolher os nossos representantes e servidores dos interesses nacionais não significa que vamos dar o voto a um grupo de pessoas que desconhecemos e que, à partida, temos justificada impressão de que, em vez serem dedicados defensores das causas nacionais, para melhoria da qualidade de vida dos cidadãos e para engrandecimento do património nacional, em bens materiais e culturais, são eivados de objectivos muito pessoais de enriquecimento volumoso e rápido sem olharem a meios para os atingir.

Os políticos desejáveis para as funções atrás referidas devem ser pessoas generosas, solidárias, respeitadoras dos direitos e liberdades individuais, dedicados aos valores éticos sociais e nacionais e desejosos de conhecer os problemas que os cidadãos querem ver resolvidos. Em complemento disso, devem possuir boas qualidades de gestores do erário, ser comedidos nas despesas, dando sempre prioridade àquilo que é essencial para os objectivos nacionais de engrandecimento do património e de melhoria das condições de vida da população nacional.

Como representantes e defensores dos cidadãos, devem ser pessoas com gosto pelo diálogo com pessoas de qualquer condição, de forma a terem facilidade na aquisição de conhecimento dos problemas nacionais, em qualquer parte do território. Nesse diálogo com os habitantes, nas suas frequentes visitas de observação do País real, devem evitar promessas ilusórias e limitar-se à realidade possível e desejável. Perante casos reais, devem estimular e incentivar as pessoas a analisar, com os amigos, as causas e os condicionalismos e, quando tiverem sugestões a apresentar, devem fazê-lo de forma construtiva para facilitar o trabalho dos técnicos que, posteriormente, elaborarão soluções. Com tal diálogo, os cidadãos devem ficar cientes de que os problemas nacionais são seus, de cada um deles e, por isso, não devem deixar de, em conversa com os amigos, procurar encontrar as soluções que achem ser mais adequadas e comunicá-las às autoridades governamentais, autárquicas, etc., para lhes facilitar a tarefa de que estão incumbidas. Será desejável que evitem, pelo diálogo, as nefastas greves de grande duração em serviços públicos que devem ter credibilidade e ser respeitados pelos cidadãos.

Perante isto, o acto de votar exige sentido de responsabilidade e o voto deve ser dado a quem inspire confiança, o que não é o caso de uma lista de pessoas de quem nada se conhece a não ser que são amigas do chefe do partido. Ora, a vida nacional de quase meio século mostra, sob muitos pontos de vista, que foi indesejável e que é altura de evitar votar em partidos que mostraram muitos defeitos, erros, más decisões e indecisões e, com isso, mantiveram o País num estado de estagnação indesejável. Por isso, há muitos cidadãos válidos que aconselham a procurar dados concretos que permitam arriscar o voto num dos partidos recentemente inscritos, embora inexperientes nas malabarices da política dita “correcta”, mas isentos de culpas na degradação que temos estado a sofrer de modo gravoso e continuado, com o esbanjamento das toneladas de barras de ouro recebidas do “antes do 25-A” e a dívida pública persistente que será uma pesada herança para as gerações vindouras.

Dos partidos recentemente surgidos, haverá alguns que reduzirão as despesas públicas hoje agravadas com benesses exageradas para ex-políticos, estabelecerão um tecto para a quantidade de sugadores do dinheiro público e para certas benesses que atingem valores chocantes quando comparadas com salários de trabalhadores activos, mesmo em altos cargos da função pública. ■

Ler mais...

quinta-feira, 19 de setembro de 2019

CONTRA A DESERTIFICAÇÃO, PELA NATUREZA

Contra a desertificação, pela Natureza
DIABO nº 2229 de 20-09-2019, pág 16

Para a sustentabilidade da vida humana no Planeta há que dedicar muita atenção à defesa do ambiente, isto é, da Natureza, com pessoas, animais e vegetais e a biodiversidade nos seus diversos sectores. Por exemplo, evitar a desertificação nos seus vários aspectos, ou o domínio de uma espécie vegetal que impede a vida das outras, como está a acontecer com o eucalipto, uma infestante que, em muitas áreas, está a impedir o crescimento das espécies anteriormente existentes.

Em Portugal, a desertificação atingiu tal exagero que já motivou o “Programa de Acção Nacional de Combate à Desertificação, criado em 1996 e revisto em 2014”, e o compromisso assumido e referido na Agenda 2030 das Nações Unidas; e deu origem ao recente alerta do TdC para definir as linhas de acção para o combate às alterações climáticas, através da gestão do uso da água e da manutenção das florestas. Tendo havido um progressivo abandono dos meios rurais e encontrando-se o interior do País já em preocupante estado de desertificação, há urgência em tomar medidas para inverter o estado de degradação vigente. Essas medidas devem começar por dar incentivos atraentes para desenvolver actividades económicas ligadas às potencialidades locais – agricultura, pecuária, madeira, mobiliário, etc –, apoio às pessoas, repondo, de forma adequada, serviços públicos que foram retirados, no ensino, na saúde, nos correios, finanças, justiça, na banca, etc.

Há alguns anos, uma autarca do centro geográfico do continente, na Beira Baixa, conseguiu instalar uma boa quantidade de imigrantes brasileiros a fim de dinamizar o repovoamento da ária mas, como não lhes foram dados apoios atractivos, acabaram por decidir ir trabalhar em cidades, onde as condições eram mais vantajosas. Para resolver este grave problema não basta criar um “observatório” e ficar descansado de que fica solucionado, como parece ser a convicção do ministro do Ambiente. Há, pois, que deitar mãos ao problema e considerá-lo essencial e urgente. Os técnicos devem analisar localmente todos os factores intervenientes, estudar as causas e dialogar com habitantes actuais e recentes que forneçam opiniões construtivas. Com a devida frequência, esses técnicos devem apresentar o resultado da evolução do seu trabalho a fim de se evitarem indecisões e estagnação, se tomem posições oficiais quanto a resultados já consolidados e se melhorem adequadamente as estratégias para atingir os objectivos desejados em tempo aceitável.

Ao nomear técnicos para se encarregarem destas funções, devem ser escolhidas pessoas, não por amiguismo, mas por competência e experiência adquirida e demonstrada, para não serem mais um “observatório” ou “comissão” das que só excepcionalmente merecem elogio.

Há alguns anos, no distrito de Bragança houve jovens professores do secundário que, nos tempos livres, se dedicavam à agricultura ecológica de produtos alimentares, alguns ainda desconhecidos na região, e que foram noticiados na TV e apontados como exemplos a seguir. Desconheço a sua situação actual, mas há interesse em seguir tais exemplos. E empresas agrícolas como existem no Alentejo e no Algarve em mãos de estrangeiros, também podem servir de estímulo para tal sistema ser utilizado nas Beiras e em Trás-os-Montes, aproveitando bons terrenos agrícolas, que actualmente se encontram abandonados e cobertos de silvas e mato e ameaçados por eucaliptos.

No aspecto humano, como os poucos residentes, onde ainda os há, são idosos, deve ser encarada, de forma prática e satisfatória, a existência de centros de apoio de dia e de lares residenciais, o apoio de saúde e o apoio de serviços públicos para não terem de se deslocar muitos quilómetros sempre que precisem de resolver qualquer pequeno assunto da burocracia oficial a que sejam obrigados.

Não deve haver hesitações nas medidas que contribuam para anular a desertificação e para preservar a Natureza na sua melhor forma. ■

Ler mais...

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

UNIDOS PARA UM PORTUGAL MELHOR

Unidos para um Portugal melhor
(Publicado em O DIABO nº 2228 de 13-09-2019, pág 16 por António João Soares)

“A união faz a força”. A convergência de esforços é apanágio de uma equipa que deseja ganhar. Na vida social de um País todos devemos estar interessados no progresso, no crescimento do património colectivo e, para isso, devemos definir consensualmente objectivos estratégicos, a longo prazo, a atingir pelo esforço coordenado de todos. Cumprirá aos partidos do Governo, com a colaboração dos outros, a definição dos objectivos e de como conseguir a sua conquista da maneira mais positiva, para satisfação de todo os cidadãos, de forma realista, nos aspectos de segurança, justiça social, saúde, etc. Tal tarefa, a fim de ser respeitada durante muito tempo sem sofrer alterações da iniciativa de futuros Executivos, não deve ser levada a cabo simplesmente por Governo, de forma egoísta, prepotente e autoritária. Em assunto de tal relevância deve haver estabilidade, o que exige que na sua criação deva haver convergência de opiniões e compromisso de todos, unidos para bem do País.

Infelizmente, como se verifica em época pré-eleitoral, este conceito de patriotismo é esquecido e gastam-se de forma nada inteligente, capitais, tempo e energias em fantasias descoordenadas e ilusórias para enganar os eleitores com assunto sem significado real e duradouro e são desprezados os temas essenciais para preparar um futuro melhor, com boa qualidade de vida das pessoas e engrandecimento do património nacional. Podemos e devemos meditar sobre acontecimentos reais. No futebol o que interessa é a contagem de pontos para vencer o campeonato e nada adiantam as questiúnculas de agressividade nas bancadas devidas a uma falha do árbitro ou a um encontrão entre jogadores. O essencial não se resolve com tais violências nada desportivas. Também no Estado, a agressividade entre partidos concorrentes ao Poder, não compensa a perda de tempo e energias que deviam ser empregues na preparação do melhor futuro colectivo, com objectivos comuns bem definidos, embora contendo formas mais ou menos adequadas a opiniões diferentes.

Por exemplo, deve ser consensualmente meditada a finalidade do ensino e a melhor forma de preparação das futuras gerações, a melhor solução de apoio de saúde à população, a forma mais eficiente de garantir a segurança de todos nas mais diversas situações, sem excessos nem carências que condicionem as liberdades individuais, o estímulo a formas mais eficientes de desenvolvimento económico, sem perda de justiça social nem de estímulo à iniciativa individual, sem perda de respeito pelos direitos dos outros, pelas boas tradições culturais e sociais, etc.

Embora sem espaço para muito, refiro por exemplo a autorização para a exploração de lítio, que, além de lesar a capacidade agrícola das áreas próximas da exploração, contamina as águas que entram na rede fluvial, prejudicando as regas e as pessoas que as usam. Por exemplo, as águas da vasta bacia do rio Zêzere são colhidas na barragem de Castelo de Bode para alimentar a extensa região urbana de Lisboa. Também o turismo, que é agora um bom factor da economia nacional, exige cuidados porque, sendo uma actividade instável, muito susceptível de grandes alterações por efeito de pequenos casos de insegurança, pode ter uma paragem, semelhante à que ocorreu no Sul de França após o acto terrorista de atropelamento de várias pessoas em Nice.

Também tem sido muito falada a discrepância entre o aumento de impostos, taxas e taxinhas e, do outro lado, a ausência de proporcional aumento do património nacional, o que faz pensar nos gastos exagerados com a quantidade de deputados e de pessoal nos gabinetes da administração pública, suas mordomias, carros e luxos, sem benefício visível, directo ou indirecto, para os cidadãos vulgares.

Para as reformas estruturais serem devidamente respeitadas, precisam resultar de bom entendimento e convergência de esforços. As grandes decisões para se tornar Portugal maior não são tarefa a realizar por capricho ou inspiração de momento, mas fruto de profunda meditação, com a colaboração de largo espectro dos cidadãos. Todos devemos dar o maior contributo possível. ■

Ler mais...

quinta-feira, 5 de setembro de 2019

A FANTASIA DEVE SER MODERADA PELA SENSATEZ

A fantasia deve ser moderada pela sensatez
DIABO nº 2227 de 06-09-2019, pág 16, por António João Soares

Ao deparar com textos referentes a inovações, originalidades com vaidade de criatividade, lembrei-me de que, em centena e meia de textos aqui publicados, dez por cento focam a conveniência de encarar o futuro com vontade de inovar, de criar, de mudar, porque a Natureza é avessa ao imobilismo e vive da constante mudança dia/noite, Verão/Inverno, etc. Os textos que agora me chegaram conduzem ao mesmo tema e hesitei em insistir nele. Mas recordei a expressão latina ‘quod abundat non nocet’, o que abunda não prejudica, e insisto em sublinhar a necessidade de moderar as fantasias inovadoras e criativas com a sensatez suficiente para não se tornarem ridículas, fruto de vaidade ostentatória que, em pouco tempo, tenham de ser arquivadas em saco seguro.

Se é certo que a Natureza não é imutável, é também verdade que as suas variações se processam em continuidade, em função de circunstâncias naturais. Mas o homem que, errada e arrogantemente, se considerou racional em oposição a animais que classificou de irracionais mas que lhe mostram, com muita frequência, que são mais racionais do que ele e lhe dão lições de inteligência desenvolvida, ele muda por capricho, por estúpida mania de querer ostentar originalidade e criatividade, tomando medidas inconsistentes e que pouco depois tem de rejeitar. E, muitas vezes, esse impulso para se tornar notado contamina o ânimo de pessoas, desviando-as das suas tarefas bem remuneradas que devem ser destinadas ao bem dos cidadãos, e o seu tempo é desbaratado sem utilidade e prejudicando o bom exercício das suas funções e, por isso, impedem que o tal ser “racional” se possa colocar em plano superior aos ditos irracionais.

As inovações atrás referidas citam a escalada pró-animais com um SNS para cães e gatos e a inovação de alunos poderem escolher WC e balneários, independentemente de sexo. A Humanidade poderá chegar a um grau de evolução que dê a cães e gatos prioridade em relação a seres humanos, mas o estado actual da vida no planeta não permite, com sensatez, fazer uma tal alteração da ética social, por decreto. Só poderá acontecer por efeito de uma evolução que venha a ocorrer durante muito tempo, naturalmente, com progressividade, e que colha a aceitação da maioria das pessoas. Antes da condenação de quem bata num cão terá que ser criada uma justiça que condene o cão que morde um humano.

É preciso reflectir na conveniência de assumir regras para encarar a necessidade de mudança e para gerir para um futuro melhor porque o futuro exige objectivos e estratégias. Há Estados a confrontar situações de precariedade e de instabilidade e indefinição devidas a decisões pouco ponderadas ou não completamente concretizadas, como é o caso da Inglaterra com o Brexit e da Venezuela com o golpe incompleto.

Regular o funcionamento dos comportamentos numa sociedade não pode ter como modelo uma brincadeira infantil, nem o trabalho de mágicos, nem a representação de palhaços. É indispensável respeitar os direitos das pessoas de que muito se fala, mas que estão a ser muito esquecidos e desprezados por aqueles que têm o importante dever de as defender e respeitar. Os hábitos tradicionais devem ser respeitados por quem elabora as leis, a não ser quando se tornam completamente desajustados à actualidade, de acordo com opinião generalizada de quem os seguia. Governar em democracia não pode ser uma imposição arrogante e tirana de quem foi escolhido pelo povo para o defender e representar. ■

Ler mais...

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

IDOSOS, MAS NÃO ABANDONADOS

Idosos, mas não abandonados
(Publicado em DIABO nº 2226 de 30-08-2019. Pág 16. Por António João Soares

Um artigo recente baseado num estudo profundo sobre a problemática dos idosos, defendia a necessidade de os centros de dia reverem a política de apoio aos idosos, não só com vista à sua situação de fragilidade, mas devendo focar problemas de isolamento e de ocupação do espírito a fim de terem um envelhecimento mais lento e agradável. Os centros de dia já são procurados mais pela necessidade de convívio social do que pela fragilidade financeira.

O tema não me é estranho e fez-me recordar dois artigos que publiquei n’O DIABO em 21 de Março de 2017 e em 13 de Junho de 2017, nos quais salientava que “os idosos não precisam apenas de comer e dormir”, mas também de apoio para continuarem a possível actividade física e a intelectual, psíquica, emotiva e social. Referia num desses textos que na Holanda há um apoio regular de jovens estudantes a lares de idosos, ao ponto de alguns destes lhes darem alojamento para lhes facilitar a acção de conversar e distrair os idosos internados. Está assente que a continuação da ocupação mental e a realização de trabalhos, de arte, de cultura, agradáveis e com utilidade para o próprio e para terceiros, prolonga a vida e adia a chegada de doenças próprias da idade ou mesmo evita-as, como o Alzheimar que hoje aflige tanta gente.

Estes cuidados com os idosos devem ser aplicados, dentro das possibilidades existentes, com mais ou menos engenho, não apenas nos lares mas também em família, na vizinhança e em grupos de amigos. Acerca disto, o Papa Francisco disse que a vida não pára com a reforma e, com o envelhecimento, aumenta-se o saber armazenado, dando mais valor a coisas essenciais pois “a felicidade interna não vem das coisas materiais do mundo… Quando se tem amigos e irmãos, com quem falar, rir e cantar, isso é felicidade verdadeira”.

Algum tempo antes de entrar no lar onde estou há mais de dois anos, vivia só, num pequeno apartamento, e precisei de substituir a lâmpada do tecto da cozinha. Peguei no escadote e coloquei-o de maneira a tirar a lâmpada a fim de ir comprar uma com rosca igual. Quando ia a colocar o pé no primeiro degrau, pensei que podia cair e depois ficar no chão com fracturas que me impedissem de pedir o socorro conveniente. Desisti de subir e pedi a um amigo para me ir segurar o escadote. Esse amigo foi lá acima retirar a lâmpada e eu é que amparei o escadote. Fomos comprar a lâmpada e ele voltou a subir o escadote e a colocá-la.

O idoso não deve viver sem um apoio que actue em qualquer emergência, como quando não possa ligar o telefone. Convém que as autoridades pensem em formas de apoio social de convívio, de conversa, etc. Certamente, com tal apoio eficiente evitavam-se muitas mortes dramáticas com demoradas agonias e, talvez, suicídios que servem de fuga à dor física e moral. Há já alguns anos, em Rio de Mouro, uma senhora solteira, que vivia só, deixou de aparecer. Deixou de pagar o imposto do apartamento, as Finanças depois de passados uns anos apoderaram-se da casa, sem lá irem, e venderam-na em leilão. A senhora que a comprou, ao entrar e dar dois passos, deparou com o cadáver. Quanto sofrimento teria tido, sem apoio, antes de falecer?

Aqui, estou bem apoiado e, com a minha filosofia de actividade até ao fim, não tenho falhado com o meu artigo em todos os números do jornal. E também não tenho faltado a um convívio semanal com um grupo de bons amigos.

Além de lares e de centros de dia, as autoridades devem procurar manter activo o lado espiritual, psíquico, das pessoas, fomentando a ocupação cultural, a curiosidade pelo que se passa, a transmissão do seu saber acumulado durante a vida e fazer algo de útil, em trabalhos de lavores, de pinturas, de artesanato, de bricolage, de arte musical, etc. ■

Ler mais...

quinta-feira, 22 de agosto de 2019

ÁGUA ATÉ QUANDO?

Água até quando?
(Publicado no DIABO nº 2225 de 23-08-2019 pág 16)

Estudo internacional, nos 154 países analisados, coloca Portugal entre os 44 que esgotam, pelo menos, 40% das suas reservas de água. Isto coloca-nos numa situação de elevado risco de escassez de água. Há também outros 17 países, que representam um quarto da população mundial, em risco extremamente elevado. A pressão que os leva a consumir 80% das suas reservas de água por ano são a agricultura, as indústrias e os municípios.

A escassez deste produto vital coloca sérias ameaças ao ser humano, à sua subsistência e à estabilidade económica. Para que esta ameaça não se concretize com brevidade, os países devem tomar medidas adequadas, controlando o crescimento da população, o desenvolvimento socioeconómico e a urbanização, factores que estão a provocar uma maior procura de água. Por outro lado, as alterações climáticas podem tornar mais imprevisto o agravamento.

Há que evitar desperdícios de água e aumentar o armazenamento da existente em barragens adequadas, e deve ser encarada a reutilização de águas residuais como uma solução adicional, podendo, com tratamento aperfeiçoado, gerar uma nova fonte de água potável. Nos países com maior carência, esta solução será importante porque 82% das suas águas residuais não são reutilizadas.

A pressão de falta de água não é necessariamente uma fatalidade e pode ser reduzida através do aperfeiçoamento da gestão dos recursos existentes. Evitar desperdício no consumo doméstico, apostar em técnicas de rega eficientes e económicas, fazendo com que cada gota de água conte, investir em infraestruturas mais amigas do ambiente e intensificar a reutilização das águas residuais, em jardins, agricultura, limpezas urbanas e até nas sanitas domésticas.

Sem dúvida que poupar, enquanto a há, deve ser um cuidado a ter por todos os consumidores, mas deve ter apoio didáctico nas escolas e em contactos com a população, a fim de ser obtida boa melhoria dos comportamentos, embora isso, só por si, não evite o esgotamento.

É difícil pensar como será a nossa vida quando deixar de haver água. Por isso, além da redução de consumo nos factores atrás referidos, agricultura, indústrias e municípios, há que cuidar do armazenamento, evitando que corra para o mar sem ter o devido aproveitamento prévio, que se construam mais barragens e que as existentes tenham adequado aumento de capacidade, dentro do possível pelo aprofundamento das encostas submersas. Muitas das barragens existentes carecem desse trabalho porque a sua criação resumiu-se à construção do muro de sustentação da água. E pode ser obtido grande aumento da capacidade de armazenagem sem entrar nos terrenos particulares vizinhos.

E Portugal tem a grande benesse de uma extensa ligação ao mar, dando-nos uma larga possibilidade de preparar, desde já e antes que seja tarde demais, o aproveitamento da dessalinização da sua água. É certo que a água proveniente do mar não tem as qualidades a que estamos habituados, recolhida de nascentes nas nossas serras menos poluídas. Mas, à falta de melhor, há muita gente a viver dela em Cabo Verde, e em países com territórios áridos próximos do mar.

Uma fábrica de dessalinização não é uma obra fácil nem de rápida construção, pelo que não podemos adiar a ideia até ao momento em que ela seja realmente necessária. Então, pode ser demasiado tarde. No Verão de 2018 a Cidade de Viseu, perante a seca da barragem de Fagilde, no rio Dão, viu-se na necessidade de abastecer o seu depósito central com colunas de autotanques que se deslocavam a 40Km de distância. Na próxima seca, quantas cidades terão de usar a mesma solução e a que distância encontrarão o desejado maná? Com uma dessalinizadora na costa, passando a água pelas canalizações existentes dispensaria o dispêndio dos muitos autotanques. E, depois de construída a primeira, ela servirá de modelo e ensinamento para construir as necessárias.

Não hesitemos. Estamos entre os 44 Estados mundiais com maior perigo. Não fiquemos à espera de milagres, como tem acontecido com a prevenção de incêndios florestais. ■

Ler mais...

quinta-feira, 15 de agosto de 2019

GREVES POLÍTICAS?

Greves políticas?
(Publicado em (O DIABO nº 2224 de 16-08-2019, pág 16)

Nos últimos anos, têm sido noticiadas, e sentidos os seus piores efeitos, greves nos mais diversos sectores públicos, inclusivamente num dos três poderes da soberania, o Poder Judicial.

Por definição, “greve é a cessação colectiva e voluntária do trabalho realizado por trabalhadores com o propósito de obter direitos ou benefícios, como aumento de salário, melhoria de condições de trabalho ou direitos laborais, ou para evitar a perda de benefícios”. Portanto, o direito à greve deve ser uma ferramenta da luta entre trabalhadores e seus patrões, sempre que não conseguirem acordo através de conversações amigáveis. Mas não é aceitável nem justo, no caso de serviços públicos como saúde, transportes, ensino e outros, que, por interesse de poucos, se causem sacrifícios e prejuízos a todos os cidadãos que sejam utentes ou clientes de tais serviços públicos, que existem para servir a população.

Tem sido tolerado pelo Governo que pessoas morram por falta de cirurgias ou outros tratamentos urgentes que deviam ter sido efectuados com oportunidade, que outras pessoas faltem aos empregos ou cheguem muito atrasadas, devido a greve do transporte que habitualmente utilizam. Se há desentendimento entre trabalhadores e patrões de serviços ou de empresas, não é justo que sejam prejudicadas pessoas que são apenas utentes e clientes e não têm culpa de irregularidades que existam entre patrões e empregados, nem têm possibilidade de contribuir para solucionar tais diferendos.

Para isso, os trabalhadores, além do diálogo ou negociação, dispõem da greve de zelo que em nada prejudica utentes e clientes e até os pode beneficiar. Apenas visam a administração do serviço ou empresa que, além de receber menos, tem mais despesas pelas exigências de melhores condições de trabalho e insatisfação no serviço, incitando a exigências que antes eram toleradas.

Como se nota que, na vida pública actual, tudo o que acontece tem uma intenção inconfessada na luta interpartidária e hoje estão na berra novas teorias sociais, demasiado fantasiosas e desajustadas das tradicionais, não deve ser posta de lado a hipótese de pressão de oposicionistas que, manipulando os sindicatos, procurem prejudicar e criar mal-estar na imagem do Governo frente às próximas eleições. Perante isso, o Governo deve, nos serviços públicos favorecer o relacionamento entre os diferentes graus de funcionários, criando harmonia que gere esperança de breve aumento da justiça social e da equidade, reduzindo o leque salarial, em muitos casos demasiado injusto e irritante.

Com a exagerada prioridade que muitas teorias recentes dão aos direitos, em detrimento dos deveres, nesta época em que o tema mais falado é o da greve dos motoristas dos transportes de matérias perigosas, aparecem umas virgens míopes que defendem os grevistas com termos como estes “eu digo Força Motoristas, estivadores e outros camionistas e povo em geral unam-se numa só voz... mostrem a esta corja de ladrões e corruptos que quem manda na Nação ainda é o povo...”. Pobre povo, dependente desta gente.

Mas a realidade no sector laboral leva a considerar urgente a revisão da situação de muitos trabalhadores que funcionam como autênticos escravos que, com o seu trabalho pago apenas com o salário mínimo, alimentam empresas com bons lucros pagando desproporcionadamente a gestores, incluindo prémios de desempenho em anos em que os lucros “fiscais” foram mínimos ou mesmo negativos. A ética recomenda mais justiça social e menos discrepância salarial e que entre os vários degraus haja melhor relacionamento, até para fins didácticos, melhorando a eficiência dos menos aptos.

Quanto à substituição da greve por soluções que não afectem a população, há a solução do Movimento Zero de agentes da Segurança Pública que aqui foi referida e a atitude do CEMGFA perante o MDN.

Ler mais...

sábado, 10 de agosto de 2019

FOGOS INEVITÁVEIS?

Fogos inevitáveis?
(Publicado no DIABO nº 2223 de 09-08-2019, pág 16)

Em 2017, após os incêndios florestais de Pedrógão Grande que alastraram por enorme área onde causaram imensos prejuízos em instalações de habitação e agrícolas e em terrenos cultivados, bem como perdas de vidas, o Governo, através de palavras muito sonoras e largamente repetidas, criou na população a convicção de que não voltaria a sofrer efeitos de tragédias semelhantes.

Mas passados dois anos houve, além de outros, o caso de Mação, que abrangeu uma área assustadora, o que nos faz interrogar sobre as medidas concretas resultantes das intenções governamentais prometidas pelas palavras de esperança tão badaladas. Mas de tais promessas começou por se ver uma medida legal tão inadequada que teve de ser alterada nos prazos muito curtos que impunha para a limpeza nas vizinhanças de habitações e de povoações. Mas, apesar de terem surgido nos jornais opiniões de técnicos conceituados para se fazer uma reestruturação da floresta por forma a circunscrever a área de cada incêndio e outras medidas concretas já aplicadas noutras áreas próximas da nossa fronteira, o Governo teimou nas suas ideias e a intenção não faz milagres. Não se lembrou que seria útil pedir a colaboração de técnicos competentes para uma reunião de análise a fim de ser decidida uma solução, com pés e cabeça.

Acerca do fracasso da prevenção prometida, o Sr. Ministro da Administração Interna devia explicar as medidas que tomou para prevenir incêndios tão dramáticos. Quais as razões por que não foram eficazes para evitar os incêndios de agora? Porque não foram tomadas medidas melhores? Possivelmente, alguns dos seus colaboradores deram lhe um apoio menos conveniente ou pressionaram a adopção de medidas ineficazes? Que colaboradores despediu por o não terem ajudado a ter êxito?... Mas a fantochada continua. E a responsabilidade é toda atribuída ao povo que atura, sem reagir de forma eficaz e definitiva, os que agem em nome do governo.

E, na denominada limpeza da floresta, por melhor que se rape toda a vegetação rasteira, a Primavera seguinte faz cobrir o terreno de nova camada vegetal que seca no Verão, ficando pronta para as criminosas intenções de pirómanos a mando de bandidos com capacidade para lhes pagar. E, perante os pirómanos, havia que preparar a Justiça para aplicar penas que desencorajassem novos incendiários e seus apoiantes.

E, na limpeza das matas, é preciso bom senso e cautela para não destruir miniaturas de futuras grandes árvores, a fim de não transformar o interior num extenso campo desportivo para golf, futebol, etc. Limpeza radical dessa forma deve ser reservada aos aceiros que transformem as encostas numa quadrícula que impede fogos extensos e que tem sido sugerida em escritos de vários técnicos, atrás referidos.

Outra medida muito estranha, ainda não explicada, foi a aquisição de 70 mil golas compradas pela Protecção Civil não para usar em protecção individual, em incêndios, mas para sensibilização de boas práticas, mas que foram comprados com tal urgência que, sendo o “valor de mercado de 74 cêntimos cada”, o Jornal de Notícias garante que o Estado “deu 1,80 euros” na compra feita a marido de autarca do PS.

Com a anunciada subida de temperatura e a relacionada alteração climática, o País ficará transformado num monte de cinzas e de destroços, em pouco tempo, se não forem utilizados processos eficazes de detecção e de combate rápido. Há poucos anos, conheci um jovem que esteve em Barcelona a tirar um curso de pós-graduação e que, na tese, apresentou um sistema de detecção de um fósforo aceso, comunicada automaticamente aos bombeiros os quais accionam o carro de prevenção que, com pouca água, apaga a chama antes de ela se propagar. Em pontos altos bem escolhidos do terreno, montam postes com sensor que indica a direcção da chama e, por triangulação, dão aos bombeiros o seu local exacto para a eliminar. O custo disto resulta da quantidade de postes a instalar e dos aparelhos de detecção e de comunicação por satélite. ■

Ler mais...

domingo, 4 de agosto de 2019

FOGOS FLORESTAIS OU IRRACIONALIDADE POLÍTICA



  Fogos florestais ou irracionalidade política

Havia um corpo de Guarda Florestal que foi extinto por políticos de reduzida compreensão das realidades e sem preocupação com o futuro, isto é, sem visão estratégica. Quando a GF existia, podia haver mentes não esclarecidas sobre as realidades do interior que a consideravam desnecessária mas, no momento em que foi extinta, já se estava num processo de mudança da vida rural e os detentores do poder tinham obrigação de pensar nos dias do porvir, pois já eram visíveis as alterações que se anunciavam na agricultura. Daí a necessidade de uma maior vigilância da área florestal por forma a ser exercido um esforço sistemático de prevenção de incêndios e de rápida acção de combate de algum que surgisse. Além da detecção oportuna de incendiários.

Da minha vida durante mais de 18 anos na zona do pinhal, nunca vi um fogo. E a razão derivava de a agricultura precisar de limpar sistematicamente o pinhal para apanhar a caruma para a cama do gado e o mato para curtir para ser utilizado como adubo das terras, os pinheiros eram aparados para dar madeira para segurar as videiras, o feijão, as ervilhas e os tomates e para lenha para a lareira e o forno do pão. Com isso, obtinha-se uma limpeza tal que, durante os trabalhos na mata, não era necessário muito cuidado para acender uma fogueira para preparar o almoço. Depois, a evolução criou materiais para segurar as videiras, as ervilhas, o feijão etc, e deixou de ser necessário aparar as hastes dos pinheiros. Estas também deixaram de ser utilizadas como lenha da lareira, por haver fogões a gás. O forno do pão também deixou de usado como até aí. Também, o mato deixou de servir como fertilizante das terras por se passar a usar adubo. Também os bois deixaram de ser necessários para puxar a charrua, por passar a haver tractores, deixando de ser preciso o mato para as camas nos currais. E, assim, a mata passou a viver em paz sem a intervenção do homem que a limpava e, daí, a ocorrência de fogos impulsionados por madeireiros que pagam a pirómanos, etc.

Com esta mudança, é de lamentar a falta da Guarda florestal e a generalizada ignorância das condições em que vive o interior e dos cuidados de que este carece quanto a fogos e não só. E, para quem conhece o interior, é muito chocante ouvir os governantes dizer que não têm responsabilidade do que se passa no interior (a maior parte do território nacional), que a responsabilidade da prevenção é dos seus habitantes, etc. etc.

E fecham os olhos aos danos incalculáveis dos incêndios de Vila de Rei, Sertã e Mação, Tomar-Abrantes, Sabugal, etc ao ponto de haver um ministro com grande responsabilidade por omissão de medidas eficazes dizer «Época de incêndios ‘está a correr bem’». Não tenho palavras para exprimir a minha sensação ao ler isto no jornal. Tanta insensatez!!!

Ler mais...

quinta-feira, 1 de agosto de 2019

MOVIMENTO ZERO

Movimento zero
(Publicado em O DIABO nº 2222 de 02.07.2019. pág 16)

A sociedade precisa de viver em segurança, paz e harmonia, o que não é totalmente possível, por haver pessoas subjugadas por egoísmo, ambição, inveja, ódio ou outras moléstias sociais. Para fazer face a tais maleitas, são indispensáveis forças de segurança que garantam a prevenção e a eliminação de ocorrências de comportamentos menos correctos. Tais agentes da ordem pública, devem ter preparação adequada para cumprirem a sua missão, por vezes difícil, mas sempre de vital importância para a população ordeira.

Por isso, os agentes são respeitados e acatados pelos cidadãos educados e apreciadores da sua acção socialmente benéfica. Os seus chefes, a todos os níveis, devem reconhecer o apreço que a população lhes dedica, pelo que devem dar ao pessoal activo a indispensável preparação e instrução para o, por vezes difícil, cumprimento da missão, por forma a daí resultar prestígio e respeito.

Em 10 de Julho, no Cacém, um jovem de 23 anos, com antecedentes criminosos, foi detido depois de ter agredido um agente da PSP que o tentava deter por ter sido chamado pela avó quando ele ameaçou a mãe com um martelo, tendo esta uma criança ao colo. Quando os agentes chegaram ao local, o rapaz mostrou-se violento. Insultou os polícias e ameaçou-os, chegando mesmo a agredir um deles antes de ser manietado e detido. O polícia agredido - que está na PSP há cerca de três anos - sofreu algumas escoriações num dos braços, mas não foi necessário receber tratamento hospitalar.

Também em 19 de Julho, por iniciativa do “Movimento Zero”, dezenas de polícias concentraram-se em frente ao Hospital de Braga, onde estava internado um comissário da PSP que tentara o suicídio com a arma de serviço, no seu gabinete na esquadra bracarense. A manifestação tinha o intuito de alertar para a falta de condições de trabalho na Polícia que, segundo afirmaram, desde o início do ano, já levou três agentes ao suicídio.

Infelizmente, ocorrem situações em que os mais altos responsáveis se alheiam das dificuldades do trabalho dos seus subordinados e os desprezam e desprestigiam, não lhes dando condições para o bom desempenho da missão, o que pode prejudicar a forma como o povo a acata e suporta. Mas chega a acontecer que o povo que muitos governantes consideram pacóvio, se levanta espontaneamente em manifestação de apoio aos agentes a quem devem paz e segurança pública e de quem esperam a continuação dessa garantia. Esta reacção do povo é significativa como ocorreu recentemente em Massamá, quando a associação de moradores se concentrou em frente da esquadra local da PSP a manifestar o seu apoio aos seus agentes, a condenar as agressões e ofensas de que são alvo e prometendo o seu auxílio concreto no terreno contra actos de marginais. “O povo é sereno” e sabe reagir de forma positiva e sensata, dando com isso aos governantes uma magistral lição.

~ Em sintonia, com o sentimento dos moradores de Massamá, nas Forças de Segurança (PSP e GNR) foi criado o “Movimento Zero”, no qual é zero o número de participantes que, no seu serviço, tenham tido qualquer acto menos correcto. Este pormenor dá-lhes direito a reclamar dos seus superiores adequadas condições de trabalho e correcta apreciação das suas actividades, como é o caso do uso de indispensável violência no tratamento de infractores, independentemente de etnia ou cor.

Assim se compreende que em 12 de Julho, na Praça do Império, em Lisboa, durante a comemoração dos 152 anos de PSP, agentes do Movimento Zero da PSP e militares da GNR, vestidos com camisolas brancas, manifestaram-se silenciosamente, voltando-se de costas quando o director nacional da PSP, Luís Farinha, começou a falar na cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, mantendo-se nessa posição até ao final do discurso. E, quando o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, começou a discursar, os polícias saíram em silêncio e de forma ordeira, levantando os braços e fazendo o gesto do zero com os dedos. ■

Ler mais...