sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Fim da cultura de impunidade

Peço desculpa se vos induzi em erro com este título seco e pouco claro. Com certeza que não é cá! Não queriam mais nada? Será no Afeganistão se a promessa feita na cerimónia de investidura for cumprida, em que Karzai promete “fim da cultura de impunidade”.

Mesmo que não consiga cumprir plenamente, já é uma declaração de que essa deficiência existe e há vontade para a eliminar. Enfim é uma lição, para vários Países em que o nosso está incluído, que se dizem mais civilizados do que o Afeganistão, mas em que há os intocáveis, os indispensáveis, os essenciais, a elite da classe política, dos quais não se conhecem condenados. Ou será que, por cá, todos os políticos são uns santos bem comportados, sem mácula de pecado de qualquer espécie, como o de corrupção, de enriquecimento ilícito, de tráfico de influências, abuso de poder, má gestão do dinheiro público, etc., etc.

4 comentários:

Luis disse...

Caro João,
Ainda com a mão quente e os dedos cansados, pelos agradecimentos pelo aniversários dos blogues, já recomeçaste na luta pelos Princípios de Ética que tão maltratados são cá por estas bandas... Continuas incansável! Deus te ajude nesta luta difícil de vencer, mas não impossível!
Um grande abraço muito amigo.

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Esta luta deve ser de todos os portugueses, de cada um. Estamos todos a ser lesados com aquilo que se passa. A corrupção representa dinheiro saído dos nossos impostos, do aumento de preço que as empresas praticam impunemente para enriquecerem os políticos e os administradores.
Para onde irá o País em que os teus netos viverão?
Isto dá muito que pensar. Será bom que todos os portugueses acordem e comecem a pensar seriamente.

Um abraço
João

Maria Letra disse...

Estou consigo e como esta luta deve ser de todos os Portugueses, cá estou eu fresquinha de novo como uma alface (eu disse como uma alface? GrandA mentirosa!), disposta a deixar aqui uns comentáriozitos de pouca importância.
O País onde vive uma parte dos meus netos, está pelas ruas da amargura e a cultura da impunidade está bem 'colada' em vários sectores. Lamento! Lamento mesmo! Estou como a minha Avó, quando me dizia: "Ao almoço me dão peras, ao jantar peras me dão!" E enquanto estivermos a comer o mesmo prato de corrupção todos os dias, bem decorado com palavrinhas mansas e promessinhas falsas a abater, estamos mal, muito mal mesmo, meu amigo.
Um grande abraço.
Maria Letra

A. João Soares disse...

Querida Mizita,

Por norma, por princípio, não pode haver ninguém acima da lei, ninguém a quem a lei não se aplique. A lei deve ser aplicada a todos os cidadãos. A impunidade tem servido para os piores crimes contra os interesses nacionais. Os políticos a coberto da impunidade têm apanhado o freio nos dentes e exagerarem o saque ao erário. E não tem sido apanágio de um partido, pois todos os que têm constituído Governo têm sofrido da mesma moléstia.
Parece ser por mau milagre que em Portugal não tenha havido políticos condenados nas últimas décadas coisa que nem nos países mais pobres e atrasados acontece tal impunidae.

Beijos
João