terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Dinheiro não dá felicidade

Depois do post que nos diz que Mark Boyle, irlandês de 29 anos, vive há um ano sem dinheiro para provar ser possível uma sociedade mais generosa e menos consumista, surge agora a notícia do caso do milionário que se desfaz da fortuna que o faz infeliz. O dinheiro. embora possa dar comodidade, não garante a felicidade.

Segue a transcrição desta notícia:

Milionário desfaz-se da fortuna que o faz infeliz
Jornal de Notícias 9 de Fevereiro de 2010. Augusto Correia

Um milionário austríaco assegura que o dinheiro não traz felicidade e está a desfazer-se da fortuna. Fez rifas, a 99 euros, de uma casa nos Alpes e pretende mudar-se para uma cabana de madeira.

A ideia de que o dinheiro não dá felicidade há muito que se enraizou nas sociedades mundiais, especialmente entre aqueles que vêem no chavão um conforto espiritual face às maleitas na carteira. Mas para o quase ex-milionário austríaco Karl Rabeder, os milhões são um entrave a uma vida feliz .

Um aspecto do "Jardim das Rosas" na casa que está a ser rifada

Aos 47 anos, Karl Rabeder, um rico homem de negócios austríaco, decidiu livrar-se do peso da fortuna pessoal, avaliada em quase quatro milhões de euros, para dar livre curso a uma vida mais térrea e desprendida. "A minha ideia é ficar sem nada, absolutamente nada", disse.

Uma casa na Provença francesa está à venda por cerca de 700 mil euros. Já despachou o presidencial Audi A8, avaliado em cerca de 50 mil euros, e muitos outros ricos bens pessoais. Um luxuoso ?chalet? nos Alpes austríacos, com 321 metros de área habitável numa propriedade de 2711 metros quadrados pode ser adquirido por 99 euros - o valor de cada uma das 20 mil rifas que Rabeder criou para se desfazer da moradia alpina.

"O dinheiro é contraproducente, impede a felicidade de fluir", disse Karl Rabeder, em declarações ao tablóide britânico "The Daily Telegraph". Desapossado de todos os luxos que conquistou ao longo de uma vida de trabalho, basta-lhe o amor, da mulher, e uma cabana de madeira nos Alpes para seguir com a vida.

"Venho de uma família em que as regras eram trabalhar duro para arrecadar o mais possível", contou. Um modo de vida que seguiu durante muitos anos, mas que, gradualmente, o foi consumindo por dentro. "Durante muitos anos não fui suficientemente corajoso para fugir das armadilhas de uma existência confortável", acrescentou Rabeder, Karl de primeiro nome, como o do pai do comunismo, Marx de apelido.

O momento de charneira na vida de Rabeder aconteceu, paradoxalmente, numa luxuosa viagem às paradisíacas ilhas do Hawai, na companhia da mulher. "Nessas três semanas, gastámos todo o dinheiro que quisemos. Mas, em todo o tempo tivemos a sensação de que não conhecemos uma única pessoa real – eram todos actores", disse. "Os empregados faziam o papel de serem simpáticos e os outros hóspedes o papel de serem importantes, mas ninguém era real", acrescentou.

"Foi o maior choque da minha vida, quando me apercebi quão horrível, sem alma e vazia era o estilo de vida cinco estrelas", disse Rabeder. Foi o início de uma epifania a dois tempos, a duas realidades. Depois do choque no paraíso, a ligação à terra, em viagens a África e América do Sul. "Senti que há uma relação entre a nossa riqueza e a pobreza deles", acrescentou.

Determinado a fazer o pouco que uma só pessoa pode fazer no meio de 6,9 milhões de humanos, Karl Rabeder vai destinar o resultado das vendas a obras de caridade na América do Centro e do Sul. O dinheiro vai apoiar soluções de microcrédito em países como El Salvador, Honduras, Bolívia, Peru, Argentina e Chile.

6 comentários:

O Guardião disse...

Dinheiro não dá felicidade, nós sabemos, mas lá que ajuda...
Por falar no assunto, há dias tive que ficar internado num Hospital e apesar de ele ter convenção com o meu subsistema de saúde, a ADSE, para lá ficar tive que pagar 2.000 euros de caução, de imediato, e eles farão o acerto de contas daqui a 3 ou 4 semanas. Talvez estes idealistas não tenham que enfrentar problemas destes...
Cumps

Luis disse...

Caro João,
Já este tema foi ventilado no Blogue Sempre Jovens, mas nunca é demais levantá-lo pois actualmente o novo.riquismo impera e são os "grandes senhores" que dão o bom exemplo, pois o SER é bem mais importante que o TER!!!
http://cvssemprejovens.blogspot.com/2009/05/felicidade-e-um-trajecto-nao-e-um.html
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Caro Guardião,

A vida está cada vez mais difícil e não é fácil viver sem uma boa quantia de dinheiro. Mas o que ressalta destes dois casos é que não é psiquicamente saudável viver obcecado por acumular riqueza, vivendo uma vida fictícia de ostentação, com representação de papéis irreais, como este Karl Rabeder conta das suas últimas férias de milionário.

O caso de Mark Boyle é diferente, mas conduz à mesma tese, defendendo uma economia de troca em vez de ser fiduciária.

Um abraço
João

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Realmente este tema é muito batido, mas não encontramos muitos exemplos práticos como este do milionário Karl Rabeder e do jovem Mark Boyle.
Há também a óptica de elogiar a simplicidade em oposição à complicação. Reduzir as coisas à sua expressão mais simples é uma virtude para uma vida melhor.
Mas, com a mania das modernices, andamos a dizer «inicializar» em vez de iniciar, ou «contratualizar» em de contratar. Como se isso fosse sinal de maus'«+is cultura e inteligência!!! Pobres diabos!

Um abraço
João

Pedro Coimbra disse...

Caro João Soares,
Não sou nada franciscano.
Ainda assim, e vivendo numa cultura mais e mais materialista, faz-me impressão assistir as alguns episódios que nunca conseguirei perceber.
Vou-lhe deixar o relato de um.
A mulher mais rica da Ásia, Nina Wang, morreu sem deixar herdeiros.
Ela e o marido, desaparecido misteriosamente e declarado morto nos anos 90, passaram a vida a pensar em dinheiro.
Comiam no Macdonald's, levavam sobras de comida para casa, tinham uma relação doentia com o dinheiro.
Morreu sozinha.
Depois da sua morte, apareceu o seu mestre de Feng Shuei com um testamento, reclamando-se único herdeiro da senhora e revelando que tinha sido amante dela durante anos.
A pouca família da senhora, a quem ela nunca ligou nada e que nunca lhe ligou nada a ela, contestou a validade do testamento em Tribunal.
O julgamento deu-lhes razão, o dinheiro (uns 4 biliões de dólares) vai agora ser entregue a um Fundo ligado às empresas dela e o amante foi preso e liberto sob caução.
Tudo na passada semana.
Foi Nina Wang uma mulher feliz?
Creio bem que não.
E não o será certamente se puder ver o que se está a passar após a sua morte.
Um abraço,

A. João Soares disse...

Amigo Pedro Coimbra,

Esta história é elucidativa dos perigos do «vício do dinheiro», que muitas vezes é acompanhado do consumismo e da ostentação descontrolada.
Muitas vezes o papel dessa milionária é desempenhado por mendigos que nunca deixaram a mendicidade e, quando morrem, deixam fortunas amontoadas em casa.
O bom senso é uma virtude rara, até porque não é fácil saber os seus limites correctos.
Parece que o vil metal se pode transformar num estupefaciente que embrutece os espíritos como reconheceram a tempo estes dois homens sábios referidos no post , o Mark Boyle e o Karl Rabeder.

Um abraço
João