segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

O Fim da Linha, Mário Crespo

O Fim da Linha
Mário Crespo

Terça-feira dia 26 de Janeiro. Dia de Orçamento. O Primeiro-ministro José Sócrates, o Ministro de Estado Pedro Silva Pereira, o Ministro de Assuntos Parlamentares, Jorge Lacão e um executivo de televisão encontraram-se à hora do almoço no restaurante de um hotel em Lisboa.

Fui o epicentro da parte mais colérica de uma conversa claramente ouvida nas mesas em redor. Sem fazerem recato, fui publicamente referenciado como sendo mentalmente débil (“um louco”) a necessitar de (“ir para o manicómio”). Fui descrito como “um profissional impreparado”. Que injustiça. Eu, que dei aulas na Independente. A defunta alma mater de tanto saber em Portugal.

Definiram-me como “um problema” que teria que ter “solução”. Houve, no restaurante, quem ficasse incomodado com a conversa e me tivesse feito chegar um registo. É fidedigno. Confirmei-o. Uma das minhas fontes para o aval da legitimidade do episódio comentou (por escrito): “(…) o PM tem qualidades e defeitos, entre os quais se inclui uma certa dificuldade para conviver com o jornalismo livre (…)”. É banal um jornalista cair no desagrado do poder.

Há um grau de adversariedade que é essencial para fazer funcionar o sistema de colheita, retrato e análise da informação que circula num Estado. Sem essa dialéctica só há monólogos. Sem esse confronto só há Yes-Men cabeceando em redor de líderes do momento dizendo yes-coisas, seja qual for o absurdo que sejam chamados a validar. Sem contraditório os líderes ficam sem saber quem são, no meio das realidades construídas pelos bajuladores pagos. Isto é mau para qualquer sociedade. Em sociedades saudáveis os contraditórios são tidos em conta. Executivos saudáveis procuram-nos e distanciam-se dos executores acríticos venerandos e obrigados.

Nas comunidades insalubres e nas lideranças decadentes os contraditórios são considerados ofensas, ultrajes e produtos de demência. Os críticos passam a ser “um problema” que exige “solução”. Portugal, com José Sócrates, Pedro Silva Pereira, Jorge Lacão e com o executivo de TV que os ouviu sem contraditar, tornou-se numa sociedade insalubre.

Em 2010 o Primeiro-ministro já não tem tantos “problemas” nos media como tinha em 2009. O “problema” Manuela Moura Guedes desapareceu. O problema José Eduardo Moniz foi “solucionado”. O Jornal de Sexta da TVI passou a ser um jornal à sexta-feira e deixou de ser “um problema”. Foi-se o “problema” que era o Director do Público. Agora, que o “problema” Marcelo Rebelo de Sousa começou a ser resolvido na RTP, o Primeiro Ministro de Portugal, o Ministro de Estado e o Ministro dos Assuntos Parlamentares que tem a tutela da comunicação social abordam com um experiente executivo de TV, em dia de Orçamento, mais “um problema que tem que ser solucionado”. Eu. Que pervertido sentido de Estado. Que perigosa palhaçada.

Nota: Artigo originalmente redigido para ser publicado hoje (1/2/2010) na imprensa. Foi publicado no site do Instituto Francisco Sá Carneiro.

NOTA: Certamente, na lógica da classificação de «um profissional impreparado» Sócrates deve de imediato obrigá-lo a frequentar as «novas oportunidades» a fim de adquirir a preparação que lhe falta! O facto de ter sido professor na Independente não representa saber e competência, e nisso Sócrates sabe muito bem como é, pois bem viu aquela «universidade» quando lá foi aluno exemplar.

9 comentários:

André Miguel disse...

Isto está bonito, está!

O Guardião disse...

Quem não é por nós é contra nós, este é o lema de Sócrates.
Cumps

A. João Soares disse...

Caro André Miguel,

É de muito mau augúrio aquilo que está a acontecer. As pressões sobre a Comunicação Social e sobre a Justiça são preocupantes. Qualquer pessoa que diga uma verdade mesmo que bem visível desagradável para os mentirosos que fabricam défices para bem das famílias e das empresas(!!!), é considerada persona não grata a fazer calar.
Começa a ser urgente que as camadas etárias mais jovens comecem a preparar-se para tomarem o poder e banirem estes mentirosos e maus propagandistas.
Não se esqueça que a sua geração tem uma grande oportunidade de fazer algo de muito bom para Portugal.

Um abraço
João

A. João Soares disse...

Caro Guardião,

A sua frase faz lembrar as ditaduras, os poderes absolutos. O certo é que estamos a ver coisas que mostram que o próprio Hitler, até parece herói de ficção de livros infantis, quando comparado com o que está a ser feito, desde a ideia da eutanásia, da concentração de dados sobre privados, das pressões sobre a Comunicação Social e a Justiça.
Os nossos netos ou emigram ou serão obrigados à escravatura a não ser os poucos que se orientarem para a política.

Abraço
João

Luis disse...

Caros Amigos,
Não há dúvida que se adivinhava que Mário Crespo seria o "senhor que se segue"! É uma vergonha o que está a acontecer com o poder político! Já estamos numa "ditadura encapotada"!!!
A censura de outros tempos é uma "gracinha" ao pé do que agora se faz dizendo-se que a bem da democracia... Que ironia macabra esta!!! Este texto ligado ao anterior reforça a ideia que tudo farão para assaltar de vez o poder. Parece que aprendeu com Lenine mas este é muito pequenino e irá rebentar a curto prazo como à rã da fábula!
Vou pescar este post para a Tulha.
Um forte e solidário abraço.

A. João Soares disse...

Alguns dados sobre o caso.

A crónica do jornalista da SIC - "O Fim da Linha" - que não foi publicada hoje no "Jornal de Notícias" por decisão da direcção, sairá em livro já no próximo dia 11. A obra reúne mais de cem crónicas publicadas nos últimos dois anos por Mário Crespo e tem prefácio de Medina Carreira. Leia a nota da direcção do "Jornal de Notícias".
Mário Crespo reagiu de imediato à decisão da direcção do "Jornal de Notícias" de não publicar a sua última crónica, prevista para a edição de hoje do jornal.
Hoje mesmo, o jornalista e pivô da SIC recebeu a garantia de publicação - já no próximo dia 11 e lançado no Grémio Literário - de um livro, que terá um prefácio de Medina Carreira. onde a crónica censurada - "O Fim da Linha" - "surgirá à cabeça". Ainda hoje, seguirá uma queixa para a Entidade Reguladora para a Comunicação Social, onde o jornalista requer à ERC que averigue a ingerência governamental em matérias editoriais.
Com o título "O fim da linha", a crónica de Mário Crespo prevista para hoje no "JN" relatava um almoço mantido entre o primeiro-ministro e os ministros dos Assuntos Parlamentares e da Presidência com um "executivo da televisão", onde se apontava o jornalista da SIC e pivô do Jornal das Nove como "um problema" a resolver".
No referido almoço, os governantes terão ainda considerado que Mário Crespo era "louco" e "profissionalmente impreparado". "Portugal, com José Sócrates, Pedro Silva Pereira, Jorge Lacão e com o executivo de TV que os ouviu sem contraditar, tornou-se numa sociedade insalubre", comenta o jornalista na sua coluna de opinião.
Contactado pelo Expresso, Mário Crespo recusa revelar o nome do "executivo de televisão" presente no almoço, preferindo "salvaguardar a sua identidade, enquanto for possível". No entanto, garante o jornalista, o teor da conversa com José Sócrates, Jorge Lacão e Pedro Silva Pereira "foi confirmado pelo próprio" responsável televisivo, assim como por "duas outras pessoas presentes no restaurante e que ouviram a conversa".
De acordo com Mário Crespo, só "ontem à meia-noite" foi informado, telefonicamente, pelo director do "JN", José Leite Pereira, de que a sua crónica habitual não seria publicada. "É um privilégio do director que não contesto, mas esclareci de imediato que não escreveria mais para o jornal", disse ao Expresso o jornalista da SIC.

Lição para os media

A crónica integral - que poderá ser lida neste post - foi hoje de manhã publicada no site do Instituto Sá Carneiro. Mário Crespo garante que "não sabia sequer que esse site existia" e diz desconhecer a forma como o texto lá foi parar. "Apenas enviei, como sempre o fiz, a crónica para as moradas electrónicas do 'JN'", acrescentou ao Expresso.
Para o jornalista a situação descrita no almoço entre governantes, assim como a recusa na publicação da crónica, é uma situação "grave" e "uma lição para os media em geral de que não é possível censurar".
Mário Crespo garante ainda que "nunca" tinha sofrido qualquer reparo por parte dos responsáveis editoriais do "JN" sobre o conteúdo das suas crónicas e que foi "surpreendido" pela decisão. No entanto, assume "sentia que estava numa zona de risco".

Pedro Coimbra disse...

A revolução bolivariana do Chávez na sua versão portuguesa.
Na sua infinita sapiência, este "inginheiro" tem um raciocínio muito simplista - quam não está comigo está "contramigo"!

Pedro Coimbra disse...

http://devaneiosaoriente.blogspot.com/2010/02/100-dias-quantas-palavras-mortas.html

A. João Soares disse...

Caro Amigo Luís,

Parece que iremos correr o risco de isto ir dar que falar. E, assim, lá vão os políticos andar mais uns tempos entretidos com estas tricas até ao próximo escândalo, sendo dispensados de pensar e agir nos problemas essenciais dos portugueses.
A vida nacional tem sido isto, focar a atenção do povo em coisas superficiais, desviando-lhe os pensamentos das grandes reformas necessárias. Isso é um maná para os políticos porque oculta a sua incapacidade de equacionar os grandes problemas nacionais e a incompetência de fazerem um diagnóstico da situação para, a partir daí, encontrarem a melhor terapia e deixarem de andar a fazer remendos pontuais.

E já nem é difícil fazer a síntese dos muitos esboços de diagnóstico e escolher uma das muitas hipóteses de solução. É pena que nem sequer saibam explorar essa riqueza de opiniões que têm sido publicadas.

Do estrangeiro vêm bons exemplos, mas por cá escolhemos sempre os menos bons, como o da Venezuela, quanto à Comunicação Social. Enquanto a China está progressivamente a caminhar para a democracia, nós parecemos estar a avanças no sentido contrário.

Um abraço
João