sábado, 3 de julho de 2010

Fernando Nobre preocupado com o desemprego

A notícia «Fernando Nobre prevê tendência de aumento do desemprego» mostra que o Director da AMI está seriamente preocupado com o aumento do desemprego um dos aspectos mais graves da actual crise financeira, ecnómica e social. Ontem em Coimbra disse:

"Ao nível europeu está estabilizado, e em alguns países está a haver uma regressão, mas nós estamos a continuar a aumentar e tudo aponta, com os crescimentos que se avizinham para este ano e para o próximo, que tal tendência não vai ser invertida".

Para serem encontradas soluções que invertam a situação, apelou "à responsabilização de todas as camadas do país, a começar pelos empresários, mundo associativo e cidadãos, tentando mobilizar e demonstrar que não há nenhum fatalismo lusitano que nos obrigue mais uma vez a estarmos a ocupar um lugar que não é aquele que Portugal merece".

"Venho deixar uma mensagem de mobilização junto dos meus apoiantes para lhes relembrar que esta é uma candidatura da cidadania, da esperança, da mobilização e dos desígnios nacionais que temos de pôr em marcha para que o nosso país tenha outro futuro".

Imagem da Net.

7 comentários:

Carlos Rebola disse...

Caro A. João Soares

Fernando Nobre é a nossa oportunidade de colocarmos na "politica portuguesa" (Presidência da República) uma referência moral, cidadania, humanismo e seriedade, fora da lógica partidária.
Temos que divulgar a biografia de Fernando Nobre, o seu percurso de vida, longo e repleto de vivências humanas, quase todas dramáticas às quais fez frente de facto.
Precisamos de alguém corajoso, frontal e humano que represente os portugueses cá dentro e lá fora.
Fernando Nobre tem feitos, provados, em situações de desumanidade e injustiça atroz, que muitos senão todos os políticos de carreira ou abandonam (desertam, exemplos não faltam, ou então assobiam para o lado.
Com Fernando Nobre temos a possibilidade de afastar da Presidência da República, os "arlequins", as frias máquinas registadoras, os "experts" dos números mas ignorantes das pessoas.
Desde da primeira hora apoio Fernando Nobre, ontem estive em Coimbra no primeiro jantar distrital de apoio a Fernando Nobre e como sempre o que ele disse sobre o país todos entendemos porque fala a nossa linguagem, que é humana e de cidadão.

Abraço
Carlos Rebola

A. João Soares disse...

Caro Carlos Rebola,

Concordo com a generalidade dos seus argumentos. Precisamos de alguém que não sofre dos vícios e dependências dos actuais políticos. Os poderes dos PR é mínimo, mas ao menos que sejam pessoas que pensem pela própria cabeça, que falem para as pessoas e das pessoas e que se não limitem a recitarem frases de manuais académicos sem ligação com a realidade. Do panorama actual este é o que mais se enquadra na escala de valores que prefiro.
Sugiro que veja um comentário oposto ao seu em Do Mirante. Há opiniões para todos os gostos

Um abraço
Só imagens

Zorro disse...

Mas, o Fernando Nobre sempre andou colado ao Mário Soares, por isso não estou a ver onde está a sua independência do sistema sistémico!

Zé Povinho disse...

O desemprego não se combate com mais trabalho precário e mais facilidades para despedir. Se Fernando Nobre está preocupado que denuncie quem anda a fazer isso e a permitir essa legislação.
Abraço do Zé

as-nunes disse...

Caro amigo João Soares

Fernando Nobre não me convence.

A despeito de todas as dificuldades da candidatura de Manuel Alegre parece-me que devia ser levada mais a peito.

Reeleger o actual é que não. Já chega de Nins!

Luis disse...

Caro João,
As dúvidas apresentadas por alguns dos comentadores devem-se a que o actual "sistema" só nos tem trazido "porcaria"... e daí estarmos sempre preocupados com o "senhor que se segue"!!!
Um abraço amigo.

A. João Soares disse...

Caro Luís,

É preciso ver claro sem condicionamentos partidários. As mudanças têm sido de pessoas mas o ciclo vicioso continua a mesma porcaria. Só mudam as moscas.
Daí que o Fernando Nobre dá garantias de não estar viciado nas manhas dos actuais políticos.
Só com pessoas «virgens» da mediocridade dos políticos tradicionais podemos dar o primeiro passo para a reestruturação de Portugal.
O Hino Nacional não deve servir apenas para cantarolar em momentos mais empolgantes. Deve ser meditado: «NOBRE POVO, NAÇÃO VALENTE E IMORTAL, LEVANTAI HOJE, DE NOVO, O ESPLENDOR DE PORTUGAL».
Precisamos que o nosso povo acorde, porque os políticos só sairão da rotina infame em que vêm vivendo, e que deu esta crise, se forem varridos.

Um abraço
João