terça-feira, 1 de março de 2011

Mais um «abafador»

Houve um que abafou gravadores dos jornalistas em «acção directa» de que se gabou. Mas agora aparece outro mais perigoso que não parece hesitar em nos abafar até ao último suspiro, com as chamadas medidas de austeridade, para compensar as despesas inúteis e injustificadas de que muito aqui se tem escrito

Em vez da redução das despesas muito referidas aqui, por diversas vezes, «Sócrates admite mais austeridade para atingir défice de 4,6% este ano». Esta teimosia insensata, sem olhar aos verdadeiros problemas da administração com as despesas pornográficas que apenas servem para beneficiar amigos do clã, sem ter em consideração o fosso entre os ricos e os pobres, a injustiça social, as carências de muitas famílias que se afundam na penúria, felizmente está a despertar as reacções da oposição e não tardará a ter também a manifestação do povo na rua, o que devia ser evitado com acção correcta na eliminação das causas do descontentamento.

Não é por acaso que surgem estas reacções oportunas e patrióticas da oposição descomprometida dos conluios da exploração:

CDS-PP avisa o Governo que não há mais espaço para medidas de contenção

PCP garante oposição firme caso Governo avance com novas medidas de austeridade

BE diz que novas medidas serão “dar passo em frente” quando o país está “à beira do abismo”

Imagem do Google

3 comentários:

Luís Coelho disse...

A vergonha andava rota e disfarçada, mas agora vem para a praça em pleno dia e mostra-se nua.
Não tem vergonha de mostrar as mãos sujas de sangue inocente, nem os bolsos abarrotados do pão que roubou ao povo.
E dançam aos acordes do desrespeito pelas regras básicas de uma sociedade intercontinental.
Que vergonha de Justiça que os deixa impunes............

Maria Letra disse...

Amigo João,
O comentário que fiz relativamente ao texto "Saque ao Erário", aplica-se perfeitamente, também, a este seu magnífico texto. As posições tomadas pelo PM são tão ridículas, tão ridículas, que temo (?) mesmo ele venha a ser uma das maiores vítimas das suas posições, caso não retroceda. Está a gerar um tal clima de desconforto e revolta, que pode levar a tomadas de posição sem precedentes.
Um abraço.

A. João Soares disse...

Caros Luís e Mizita,

Há imensas contradições nas atitudes deste político. Tão depressa se mostra optimista, assente em sinais isolados e sem credibilidade, como pouco depois diz que a crise pode exigir mais saque aos bolsos já vazios dos contribuintes. Parece tão louco como Khadafi que, com o seu povo todo revoltado, diz que o povo o ama dá a vida por ele. Não tem a noção da realidade nem do ridículo.

É mais um sinal de que os nosos políticos têm como objectivo a sua riqueza pessoal e a dos seus coniventes e estão indiferentes ao sofrimento que causam ao povo, àquele povo que deviam sentir-se obrigados a defender e tornar feliz.

Não governam, governam-se.

Devem pensar em reduzir as despesas faustosas da máquina do Estado que criaram e ampliaram para seu próprio benefício à custa dos portugueses.

Cumprimentos
João
Sempre Jovens