segunda-feira, 14 de março de 2011

Golfe mais barato para benefício dos pobres !!!

O Governo baixa IVA aplicado ao golfe para seis por cento. É um bodo aos pobres!!!

Depois de tantas queixas contra a injustiça social, contra o enorme fosso entre os mais ricos e os mais pobres, contra os lucros escandalosos de bancos, seguradoras e serviços públicos enquanto grande parte dos portugueses se alimentam na «sopa do Sidónio», esta medida de aplicar ao golf uma taxa de IVA igual à do pão e da sopa, !!! constitui um acto de «muita justiça» aos mais pobres, que são os maiores utilizadores do golg!!!

O Governo mostra assim que não é esquizofrénico como alguns alvitram, que tem perfeito conhecimento das realidades, as quais assentam na sua conveniência em beneficiar, por todas as formas, os seus amigos mais chegados, os seus cúmplices e coniventes, aqueles com quem pode trocar favores, os que dão significado aos conceitos de corrupção e de enriquecimento ilícito.

É esta a estabilidade política que Francisco Assis pretende manter e desenvolver.

Imagem do Google

6 comentários:

O Guardião disse...

Os nossos pensionistas estão a preparar-se para encher os greens por causa desta medida do Teixeira dos Santos.
Cumps

Pedro Coimbra disse...

Acho correcto, João.
Não se deve taxar os bens essenciais.
Justiça tributária e retributiva, sabe? :)))
Um abraço

A. João Soares disse...

Amigos Guardião e Pedro,

Apesar de o Governo precisar de aumentar as receitas, teve esta generosidade de considerar o GOLF como um produto de primeira necessidade. Depois de aturados estudos chegou a tal conclusão por os greens serem frequentados pelos pedintes e outros portugueses necessitados!!!
Mas... não esqueçamos que há favores a trocar e retribuir... Eles lá sabem. Li há pouco, no livro «Fator J - Jesus um novo olhar» de Luiz Santilli Jr, Editora LCTE, esta frase curiosa «votos não garantem a competência do votado». Coisas das ilusões da democracia!!!

Abraços
João
Só imagens

Luis disse...

Caríssimo Amigo João,
Esta medida junto com as declarações enumerando as medidas que tinha aprovado a pensar nos jovens tais como divórcios, casamentos gay,abortos e mudanças de sexo demonstram bem que ou está louco ou está a fazer de nós parvos! Para mim está mesmo louco...
Um forte e solidário abraço.

A. João Soares disse...

Amigo Luís,

Há um fenómeno que merece estudo profundo dos sociólogos e dos psiquiatras. Como explicam o fenómeno de os nossos politiqueiros falam para os portugueses como se fôssemos todos uns atrasados mentais, dementes ou crianças imbecis?
Certamente é isso que eles são!

«Os votos não são garantia de competência nem de valor pessoal». Esta afirmação foi por mim encontrada no livro que o autor teve a amabilidade de oferecer «FACTOR J - JESUS EM UM NOVO OLHAR» de LUIZ SANTILLI JR, LCTE Editora.

Sócrates na sua última comunicação ao País, repetiu inúmeras vezes o termo INTERESSE NACIONAL, mas deixou sempre ideia de que estava a falar no interesse dele e do seu partido para benefício dos seus «boys», dos golfistas e dos golpistas que lhe podem dar tacho quando for obrigado a lagar a cadeira do poder.
Chegámos a isto!!!

Um abraço
João
Só imagens

A. João Soares disse...

Recebi por e-mail e transcrevo, para que os leitores disponham de mais uma opinião que sirva para reflectir:

Acho que vale a pena ler: IVA por Correia da Fonseca
IVA

O Governo de José Sócrates foi «sensível aos apelos dos responsáveis do sector» ? segundo as especiosas palavras do próprio «sector» ? e decidiu baixar a taxa do IVA aplicada ao jogo do golfe, reduzindo-a dos actuais 23% para 6%.

Ou seja, o golfe, desporto retintamente de ricos e afins (basta ver as dezenas ou centenas de euros para o simples aluguer do campo para uma só partida ou os milhares de euros a dispender pela parafernália necessária à sua prática) está a ser tratado pelo Governo de José Sócrates como «artigo de primeira necessidade», neste tempo de tanta e tão propalada crise. Pior: o golfe está a ser considerado como artigo mais necessário que o leite com chocolate ou as bolachas (para só darmos dois exemplos), a quem este mesmo Governo retirou do cabaz do IVA reduzido por, certamente, os julgar «supérfluos».

Mas o golfe, não! Essa actividade, segundo a óptica do Governo, é tão fundamental ao funcionamento do País e está tão deprimida com a crise (apesar dos torneios milionários que grassam por todos os green nacionais e estrangeiros), que o Governo foi «sensível» aos apelos do «sector» para os seus «pobres» utentes pagarem menos impostos directos.

Entretanto, as pensões miseráveis de 200 euros foram congeladas irrevogavelmente e uma grande parte de artigos de primeira necessidade passaram a ser taxados, em sede de IVA, como «artigo de luxo».

Que dizer de gente desta, que já tão descaradamente exibe o seu desprezo pelo povo que diz servir?