quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Segurança dos cidadãos inexistente

Embora não sendo novidade, convém não deixar no esquecimento a notícia de hoje tornando público que «Quatro carros da GNR abalroados por fugitivos». Fica o link para quem estiver interessado nos pormenores.

Recentemente tinha aparecido outra dizendo que «O agente está sempre entre a espada e a parede», o que está relacionado com a que nos diz que «Polícias agredidos obrigados a pagar custas» do tribunal em que os agressores não pagaram por não terem disponibilidade financeira! E esta outra mostra que o bom senso, dentro da desorganização vigente no País, avisa que «Pedir indemnização não é aconselhável».

Isto são apenas notícias que qualquer pode ler nos jornais, mas que merecem reflexão e, desta surgem dúvidas perturbadoras como: Portugal estará a «evoluir» para a solução prevista por muitos portugueses: Começam por agredir as forças de segurança e em breve os alvos serão os governantes, os juízes, os ex-governantes que enriqueceram velozmente? Efectivamente, deixou de haver segurança pública, deixou de haver respeito pela liberdade de cada um , e chegou ao ponto de não se respeitar a própria autoridade. Esta já está no rol das vítimas mas o Governo continua a proteger os criminosos e a esquecer as vítimas… até que passe a fazer parte do largo rol destas.

«Que dizem o PM, o MAI e o MJ?»

4 comentários:

ALG disse...

Caro A. João Soares,

A Autoridade do Estado está minada por culpa destes incompetentes, que sucessivamente e de há muito têm destruído o sistema jurídico e judicial, com medidas perfeitamente aberrantes e só justificadas pela agenda política da partidocracia em que vivemos.
Actualmente, os perpetradores de um qualquer crime, são os que obtêm verdadeira protecção dos seus direitos, ao invés das vítimas.
Que esperar de uma sociedade em que se agridem os Agentes da Autoridade com a maior das facilidades, enquanto que aos cidadãos cumpridores das suas obrigações e deveres se dificulta, a defesa dos seus bens e da sua integridade física.
Estamos a caminho do abismo e o pior é que continuamos a andar e a olhar para o lado!

Cumprimentos,
ALG

A. João Soares disse...

Caro ALG,

A situação é grave e os responsáveis máximos devem tomar medidas realistas e eficazes porque, por este andar, qualquer dia serão eles os alvos da fúria popular. Será bom que ajam depressa antes que se chegue a esse ponto.
Os responsáveis já são muitos e como os alvos são difusos e mal definidos, as vítimas poderão ser imensas. Há muitos governos a quem atribuir culpas.
É bom que nesta reflexão que está a anteceder as eleições se pense quem merece o nosso voto. Haverá mesmo alguém que o mereça??? Ou teremos que votar BRANCO ou NULO?.

Cumprimentos
João

Maria Letra disse...

SEGURANÇA DOS CIDADÃOS INEXISTENTE!!! Um título de post que vem mesmo a propósito! Estou revoltadíssima, amigo João Soares. Arrepio-me só de falar dum tema tão a propósito hoje. Como pode este governo que nem chega ao valor de "pataca e meia", dar a cara ao País quando neglegenciou coisas que eu, simples cidadã Portuguesa venho vendo há tantos anos?
Desde sempre me preocupava não colocar a minha família sob a ameaça de queda de falésias no Algarve, quando íamos para as praias lindíssimas daquele recanto do nosso País. Desde sempre pensava porque seria que proibiam os peões de pisar as bermas no topo das mesmas e não vedavam a passagem das pessoas cá em baixo, na praia, mesmo por debaixo desses blocos de terreno? Não compreendo, amigo João Soares, não compreendo. Sinto-me de luto pela notícia que hoje ouvi e que nos envergonha. Se eu, como simples cidadã, repito, via estas coisas, porque é que o Governo não viu que isto podia acontecer e não alertou o presidente da câmara de Albufeira?
É motivo para eu perguntar, gritar bem alto: WHY??????? As minhas lágrimas caem pelo sofrimento das vítimas (não sei quantas e se houve mais do que uma) e das suas famílias. Pobre País, o nosso. Faltava só mais esta!
Um grande beijinho, João Soares.
Maria Letra

A. João Soares disse...

Minha querida Amiga,

Foi por este seu comentário recebido por e-mail que tive conhecimento da derrocada da falésia. Pelos vistos, o perigo era iminente há muito tempo, oque leva a interrogar as autioridades:
- da protecção civil desde o governo até ao serviço municipal;
- da Câmara Municipal;
- da Autoridade Marítima.
Que medidas deviam ter sido tomadas para evitar o acidente ou, se ele ocorresse, para reduzir os seus efeitos nefastos.
Porque não foi feito um gradeamento por forma a evitar a paragem de pessoas na área de perigo?
Falta de responsabilidade generalizada. As pessoas candidatam-se aos cargos a pensar nos seus interesses pessoais e cientes de que gozam de imunidade e de impunidade.

É de lamentar. E será bom que os eleitores não se esqueçam disto no momento de votarem.
Beijos
João