sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Tudo tem razão de ser

Desde há muitas décadas ouço dizer que nada acontece por acaso e tudo tem uma gestação, um período de incubação, devido a causas, razões ou motivos.

Notícia vinda a público diz que os juros das obrigações do Tesouro português a dez anos estão a negociar nos 6,75 por cento, o que constitui um máximo histórico. Os partidos da oposição atribuem as causas à má execução do OE de 2010 e à falta de coerência e de verdade do Governo nas suas mensagens aos portugueses, que deviam criar esperança nos cidadãos e nos mercados que financiam a dívida.

No entanto, Sócrates  não dispõe de discernimento para compreender que os mercados não agem por acaso, mas com base em dados ao seu dispor que servem de base a estudos e previsões sobre a rendibilidade dos investimentos. E por falta s de senso e exacerbação da característica Teflon, diz que não há justificação para a subida dos juros da dívida. Esta afirmação é de uma falta de seriedade e de ignorância sobre o mercado que só pode ser ultrapassada pelo desejo de continuar a enganar o povinho, porque aos financeiros internacionais não engana. Por exemplo, o FMI - a quem o primeiro-ministro se recusa para já a pedir ajuda - escreve, num estudo apresentado esta quinta-feira, que a «falência de Portugal é quase certa». É que ao contrário do que dizem alguns partidos, os meios financeiros internacionais, não parecem dar crédito ao que os políticos dizem, tão falsas têm sido as suas palavras, mas olham atentamente para os dados concretos.

E a justificação que o PM diz não haver, pode estar na Fundação Cidade de Guimarães, na nomeação política de 27 cargos directivos para parque do Côa, no buraco de 500 milhões no SNS, na pouca determinação em acabar com a quantidade de sorvedouros de dinheiro referidos em Dezenas de institutos públicos a extinguir.

Entretanto o ministro da Presidência, também eivado do efeito teflon pretende desmentir as razões dos mercados financeiros e diz que Portugal “está a fazer o que deve” para enfrentar a crise. Oxalá isto fosse verdade e que os mercados concordassem com o ministro e reduzissem os juros da dívida.

Mas o ministro não está a falar com realismo. Para enfrentar a crise teria de haver alterações profundas na máquina do Estado. Quem provocou a crise e a foi agravando durante tempo excessivo, não pode ser elemento eficaz para a resolver. Estão demasiado pressionados pelos «boys» do sistema, pelos cúmplices e coniventes. Não têm força suficiente para se soltarem das amarras desses parasitas que os condicionam.

Os casos de Guimarães, do SNS e de Côa são mais fotografias da incapacidade dos governantes. Nada planeiam, nada controlam, nada corrigem. Passam a vida com sorrisos na TV, com palavras vazias, mentirosas, com promessas que nem sabem se podem ser realizadas, com empregos criados de propósito para albergar «boys» incompetentes e por vezes pouco honestos. O resultado no caso do SNS é um buraco superior a 500 milhões de euros, mas até poderá ser muito superior . Os políticos, nada controlam e passam o tempo na praia a ver o mar a lixar o mexilhão, o povo, sem perceberem quanto as pessoas têm de sofrer para saldar o mal que os responsáveis fazem ao País. É curioso que apesar do buraco, como o combate à obesidade está na moda, a Ministra anuncia 12 milhões de euros para combate à obesidade, esquecendo que há doenças graves e causadoras de muitas mortes, sem o devido apoio.

Convinha que os governantes passassem a cultivar o silêncio, se recolhessem a meditar nestes problemas e procurassem soluções, com pedido de opiniões da oposição, a fim de Portugal poder sobreviver sem sobrecarregar demasiado as gerações que agora estão a iniciar a vida. Sei que isto é pedir muito a pessoas demasiado viciadas em defender os interesses próprios e a vaidade de mandar, sem olharem para as realidades nacionais, dos portugueses. Mas façam o favor de fazer uma tentativa patriótica.

Imagem da Net

6 comentários:

Gisele Claudya disse...

Ah, meu amigo, acho difícil ver políticos deixarem de ser egosítas em prol de alguém ou de alguma coisa. DUVIDO. Eles só querem "mamar" cada vez mais às custas do povo.
Tomara que algo de bom aconteça pq realmente as gerações que começam agora a vida vão penar.
Beijocassss

A. João Soares disse...

Amiga Gisele Claudya,

A sociedade actual está cada vez mais interesseira e materialista, perdendo valores como a palavra, a honra, a honestidade, a dignidade e a generosidade. Os políticos não podem ser excepção até porque regra geral não saem do escol da sociedade. E como têm as massas perto da mão usam-nas para seu benefício e dos seus apaniguados, cúmplices e coniventes.
Há pouco vi um e-mail que mostrava a saídea de um assessor que trabalhou nas negociações com uma empresa acerca de um chip para automóveis e a empresa, por gratidão pelos favores recebidos ofereceu-lhe um lugar na administração e ele, sem hesitação, deixou o seu cargo no Estado para aceitar a recompensa dos favores prestados. Há uma semana, aconteceu o mesmo com um deputado que se passou para a empresa Ongoing, com quem tinha estado em negociações em nome da Assembleia da República... A gratidão é coisa linda mas não quando se trata de corrupção em que o Estado é sempre lesado, directa ou indirectamente.

Beijos
João
Sempre Jovens

bravomike disse...

Caro João Soares
acabado de chagar a casa, dou com um reporte do Jornal de Negócios: Henrique Neto versus José Sócrates.
No antigamente, daria origem a um duelo mortal.
Como os licenciados nas novas universidades do regime, não cresceram na infância e juventude formados com a noção de vergonha (Barroso-...-Sócrates & Cia), por certo nada irá suceder.
No pasa nada.
Mas que o honorável engº Henrique Neto está a pedir um processo, lá isso está.
Cumpts
BMonteiro

Campista selvagem disse...

Estámos sem nemhuma pocibilidade de melhorias, é verdade que este governo tem vindo a enganar o zé povinho, no entanto não podemos encetar todas as responsabilidades nestes senhores, é um mal antigo já vem à muitos anos a caminhar em contra mão.
Mário Soares afirmava aqui à dias que esta safra de politicos não era a melhor támbem concordo, mas, e as anteriores incluindo a dele próprio, a do cavaquismo...

são e foram todos um bando de sanguessugas.
SE TIVESEM O MINIMO DE DIGNIDADE SOSPENDIAM AS SUAS REFORMAS.
COLOCAVAM UM TECTO SALARIAL PARA A FUNÇÃO PUBLICA, NO MAXIMO DE TRÊS SALÁRIOS MINIMOS,AS REFORMAS MILIONÁRIAS PASAVAM PARA O MESMO VALOR, EM POUCO TEMPO GARANTO APARECIA UMA LUZ NO FUNDO DO TUNEL.Bem sei estou a pedir demais, mas em pouco tempo todo se esfuma, todos pagaremos, acaba-se o estado social, mas támbe, acabam os malabarismos deste filhos de uma mãe menor!
( a continuar asim por mais algum tempo vamos ter que importar crianças de africa ou da china, aquio zé povinho não será capaz de sostentar bébé algum.)
é sem duvida o principio do fim!

A. João Soares disse...

Caro Barroca Monteiro,

Só consegui encontrar online o início da entrevista.
Realmente, se diz mal de Sócrates, merece um processo e bom seria para vir ao cimo a espuma da porcaria. O PM tem colocado muitos processos, mas a maior parte são parados por ele desistir. Lá sabe porquê, como foi o caso do blogue «Do Portugal Profundo», acerca da «licenciatura».

Um abraço
João
Só imagens

A. João Soares disse...

Campista selvagem,

Essa sugestão do teto salarial está bem vista. Poderia ir mesmo aos 10 salários mínimos, mas sem se lhe adicionarem prémios e subsídios!!! E nada de acumular reformas com salários.

Abraço
João
Sempre Jovens