quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Governantes já não enganam !!!

Transcrição de artigo:

Afinal não acalmaram
Jornal de Notícias. 2010-11-02. Por Manuel António Pina

Afinal de contas, a pílula benzodiazepínica para "acalmar os mercados" que seria um Orçamento PS & PSD brutalmente recessivo não teve qualquer efeito no paciente (ou impaciente).

De facto, na sessão de sexta-feira, antes de Catroga e Teixeira dos Santos terem, às 23,19 horas, passado a receita, os "mercados" estavam a pedir um juro de 5,952% para comprar dívida portuguesa a 10 anos; ontem, em vez de "acalmarem" com a divulgação da fotografia do telemóvel de Catroga, parecem ter ficado ainda mais nervosos, passando a exigir 6,092%. E o mesmo sucedeu com a dívida pública a 5 e a 2 anos, cujos juros, mal foi conhecido o acordo PS & PSD, subiram de, respectivamente, 4,638 para 4,806% e 3,252 para 3,329%.

Os "mercados" sabem, pelos vistos, mais do que julgam Sócrates & Passos Coelho; e sabem que aquilo que um e outro dizem ou assinam não se escreve. Assim, suspeitarão justificadamente que o acordo não é para cumprir e que o que aconteceu com o PEC II e o OE para 2010 (cuja execução "derrapou" de 1,6 a 1,7 mil milhões) volte, como sempre acontece em Portugal, a acontecer.

Teixeira dos Santos já vai responsabilizando o PSD por tal inevitabilidade, acusando-o de, com as suas exigências, ter aberto no OE um buraco de 500 milhões. Passos Coelho, por sua vez, vai anunciando, de olho em Sócrates, que "o pior ainda está para vir". Em Portugal, a culpa também nunca é do próprio mas do sócio.

Imagem da Net

2 comentários:

O Guardião disse...

Em recessão não se cria riqueza e com o aumento do desemprego é mais uma machadada na Segurança Social. Os mercados sabem disso, e não confiam nesta classe política que não gosta da verdade nem da seriedade nas contas.
Cumps

A. João Soares disse...

Caro Guardião,

Como diz «esta classe política não gosta da verdade nem da seriedade nas contas». O retrato está bem traçado no post anterior ao comparar com o estilo teflon. Nada é dito ou feito com a certeza da gravação, da honra, mas as contradições, as mentiras, as afirmações fantasiosas e inconsequentes, são a regra geral. deixam de merecer confiança e perdem credibilidade, dentro e fora do País. Mas como os políticos nacionais são todos do mesmo género, as sondagens não dramatizam a situação. Veremos a realidade no momento de entregar o voto.
Não esqueçamos que o Governo teve nas legislativas apenas 20% dos eleitores inscritos... Isso diz algo acerca das «virtudes» da democracia.

Um abraço
João
Só imagens