segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

Jovens cientistas portugueses

Quando a generalidade das pessoas se confina a dizer mal de todos os aspectos do País, considero de suma importância alargar o foco de visão por forma a observar o que existe de positivo, mesmo que seja pouco. Temos que fazer um esforço para notar e valorizar os sinais positivos que possam contribuir para alimentar a nossa auto-estima. Seria interessante que S. Exa o Presidente da República nas sessões em que homenageia alguns portugueses inserisse na lista gente nova que se destaca no aproveitamento escolar, nas pesquisas científicas e nos negócios, enfim, naquilo que se oriente para fazer maior este País de «heróis do mar».

Há poucos dias, no post intitulado Jovens com prémios científicos internacionais, referi Henrique V. Fernandes, investigador do Instituto de Medicina Molecular que é o único investigador português a receber uma bolsa no valor de 1,9 milhões de euros do European Research Council, ao mesmo tempo que também salientava o prémio concedido pela UNESCO, relativo às celebrações do Ano Internacional do Planeta Terra, que se comemora em 2008, a Diana Carvalho de apenas 20 anos, aluna finalista do curso de Comunicação e Multimédia da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), em Vila Real.

Hoje, com o título «Porto organiza encontro de ciência jovem», o jornal «Público», pela prosa de Sandra Silva Costa, diz-nos que cerca de 300 estudantes, vindos dos diferentes continentes, tomarão parte, terça e quarta-feira, no Porto no primeiro encontro de Investigação Jovem. Ao longo desta "maratona de ciência", que vai decorrer na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (UP) e é exclusivamente dirigida a alunos dos 1.º e 2.º ciclos (licenciaturas, pós-graduações e mestrados), os estudantes vão debater e apresentar mais de 180 projectos de investigação gerados em contexto académico em vários pontos do globo.

O mesmo jornal, em artigo de Teresa Firmino, diz-nos que a equipa de Helena Santos, do Instituto de Tecnologia Química e Biológica, em Oeiras, encontrou a resposta a como se protegem os microrganismos capazes de resistir a temperaturas elevadas, graças à descoberta de dois compostos químicos nunca antes observados. Este trabalho é distinguido hoje com o Prémio Câmara Pestana, no valor de 2500 euros, atribuído pelo Instituto Bacteriológico Câmara Pestana, de Lisboa. As duas moléculas descobertas estão patenteadas e as aplicações de uma delas foram vendidas a uma empresa de biotecnologia alemã.

E assim se aumenta o prestígio de Portugal, mais do que com os autódromos, ou os jogos olímpicos, ou os mundiais de futebol, ou a maior árvore de Natal.

1 comentário:

A. João Soares disse...

A reforçar a ideia que presidiu à elaboração deste post, surgiu hoje no JN a notícia
Portugueses descobrem anticoagulante
http://jn.sapo.pt/2008/02/20/sociedade_e_vida/portugueses_descobrem_anticoagulante.html, segundo a qual cientistas portugueses identificaram um novo anticoagulante "multifunções" que isolaram de um insecto hematófago, a carraça bovina, um passo que poderá abrir caminho a novos tratamentos para patologias relacionadas com a coagulação sanguínea.

Um estudo desta equipa publicado na revista norte-americana "PLoS ONE", do grupo Public Library of Science, refere que o anticoagulante, chamado boofilina, tem a particularidade bloquear simultaneamente duas enzimas, potenciando assim a sua acção.

O estudo deve-se a uma equipa de que é responsável o investigador Pedro Pereira do Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), do Porto, e de que fazem parte Sandra Macedo-Ribeiro, do mesmo instituto, e Pablo Fuentes-Prior, um cientista cubano presentemente em Barcelona.

Segundo Pedro Pereira, «o trabalho consistiu na identificação e caracterização bioquímica e estrutural do primeiro anticoagulante capaz de inibir simultaneamente a trombina, uma enzima crucial na coagulação sanguínea, e outras enzimas relacionadas».