quinta-feira, 7 de abril de 2011

Portagens «pára-arranca-pára»

Depois dos protestos na Covilhã contra portagens, no último Domingo, saiu a notícia de que Governo suspende portagens nas SCUT.

Vale mais recuar e emendar erros do que teimar neles arrogantemente. Mas é pena que ainda não se tenha aprendido que decisões tomadas sem terem sido precedidas por estudos competentes, resultam no pára-arrança-pára, com diversos custos: em despesas, em tempo perdido, em ausência de actividades que deixaram de ser feitas por se ter desperdiçado energias e recursos, além do desprestígio dos governantes e da perda da confiança que neles deveria ser depositada. O exemplo das vultosas despesas de teimar durante demasiado tempo na instalação do Novo Aeroporto de Lisboa na OTA, do «famoso» jamé, não deve ser esquecido e devia ter ficado de lição, para a necessidade de sentido de responsabilidade nas decisões com o dinheiro público e de sensatez na escolha de medidas correctas.

E os portugueses devemos acordar e reclamar. É preciso travar as loucuras de governantes insensatos, com a máxima brevidade, antes que esgotem completamente as nossas capacidades de sobreviver. Vale a pena manifestar desagrado.

Imagem do Google

5 comentários:

Luís Coelho disse...

Nunca viram e continuam a não querer ver. Continuam arrogantemente agarrados ao poder....
Querem ser grandes estadistas sem saber quais são as regras básicas para governar o país sem pôr o povo na miséria e na contestação a tudo quanto fazem sem planos nem programa.

A. João Soares disse...

Caro Luís Coelho,

Fazem o papel do mau aluno, e esbanjam os recursos nacionais com as suas infantilidades de teimar em mostrar que podem e querem.
Com tantos assessores e consultores, se estes fossem bem escolhidos pela sua competência e não por amiguismo, não seria difícil seguirem o método de preparação das decisões referido em Pensar antes de decidir.

Mas a incompetência, a vaidade e a arrogância levam os governantes a preferirem decidir «em cima do joelho», teimosamente, por capricho ou por inspiração onírica.
E o povo, como mexilhão do dito popular, é quem sofre. Mas será bom para o País que o povo desperte e comece a agir segundo o seu pensamento e decida deixar de aceitar apática e pacificamente a exploração de que está a ser vítima.

Um abraço
João
Sempre Jovens

Pedro Coimbra disse...

A imagem de marca deste governos, caro João.
Indecisão e soluços.

A. João Soares disse...

Caro Pedro Coimbra,

É imoral, para não dizer criminoso, que uns tipos se candidatem a governar, que enganem os eleitores com promessas falsas e que, depois de obtidos os votos, se comportem como ignorantes atrevidos e gananciosos que se apoderem das rédeas do Estado para enriquecerem a si e aos do seu bando e esbanjarem os recursos do País contribuindo para a miséria nacional.

E o PR mantém-se no seu tabu agarrado à sua timidez e excessivo receio de erra, em vez de dar um pontapé na Constituição e aproveitá-la para restaurar Portugal. A recuperação das glórias do passado não se compadece com paninhos quentes a evitar aborrecimentos presentes mas que trazem tragédias no futuro.

Cato Pedro, como será o Portugal que estamos a deixar aos nossos descendentes??? O que dirão da nossa geração de cobardes, que deixou que uns loucos estragassem aquilo que herdámos dos nossos pais???

Um abraço
João
Só imagens

Bmonteiro disse...

Quanto ao catedrático Mendonça,
terá ido ao Congresso?
Hoje no Sol, com louvor meu.
Amanhã, farei por completar o juízo final s/esta caso-TGV (que não coube)
Bm