terça-feira, 3 de maio de 2011

Os verdadeiros factos da campanha

Nos últimos dias, a "campanha" eleitoral tem sido constituída por um rol de "factos" que só servem para distrair os (as) portugueses(as) daquilo que realmente é essencial. E o que é essencial são os factos. E os factos são indesmentíveis. Não há argumentos que resistam aos arrasadores factos que este governos nos lega. E para quem não sabe, os factos que realmente interessam são os seguintes:

1) Na última década, Portugal teve o pior crescimento económico dos últimos 90 anos
2) Temos a pior dívida pública (em % do PIB) dos últimos 160 anos. A dívida pública este ano vai rondar os 100% do PIB
3) Esta dívida pública histórica não inclui as dívidas das empresas públicas (mais 25% do PIB nacional)
4) Esta dívida pública sem precedentes não inclui os 60 mil milhões de euros das PPPs (35% do PIB adicionais), que foram utilizadas pelos nosso governantes para fazer obra (auto-estradas, hospitais, etc.) enquanto se adiava o seu pagamento para os próximos governos e as gerações futuras. As escolas também foram construídas a crédito.
5) Temos a pior taxa de desemprego dos últimos 90 anos (desde que há registos). Em 2005, a taxa de desemprego era de 6,6%. Em 2011, a taxa de desemprego chegou aos 11,1% e continua a aumentar.
6) Temos 620 mil desempregados, dos quais mais de 300 mil estão desempregados há mais de 12 meses
7) Temos a maior dívida externa dos últimos 120 anos.
8) A nossa dívida externa bruta é quase 8 vezes maior do que as nossas exportações
9) Estamos no top 10 dos países mais endividados do mundo em praticamente todos os indicadores possíveis
10) A nossa dívida externa bruta em 1995 era inferior a 40% do PIB. Hoje é de 230% do PIB
11) A nossa dívida externa líquida em 1995 era de 10% do PIB. Hoje é de quase 110% do PIB
12) As dívidas das famílias são cerca de 100% do PIB e 135% do rendimento disponível
13) As dívidas das empresas são equivalentes a 150% do PIB
14) Cerca de 50% de todo endividamento nacional deve-se, directa ou indirectamente, ao nosso Estado
15) Temos a segunda maior vaga de emigração dos últimos 160 anos
16) Temos a segunda maior fuga de cérebros de toda a OCDE
17) Temos a pior taxa de poupança dos últimos 50 anos
18) Nos últimos 10 anos, tivemos défices da balança corrente que rondaram entre os 8% e os 10% do PIB
19) Há 1,6 milhões de casos pendentes nos tribunais civis. Em 1995, havia 630 mil. Portugal é ainda um dos países que mais gasta com os tribunais por habitante na Europa
20) Temos a terceira pior taxa de abandono escolar de toda a OCDE (só melhor do que o México e a Turquia)
21) Temos um Estado desproporcionado para o nosso país, um Estado cujo peso já ultrapassa os 50% do PIB
22) As entidades e organismos públicos contam-se aos milhares. Há 349 Institutos Públicos, 87 Direcções Regionais, 68 Direcções-Gerais, 25 Estruturas de Missões, 100 Estruturas Atípicas, 10 Entidades Administrativas Independentes, 2 Forças de Segurança, 8 entidades e sub-entidades das Forças Armadas, 3 Entidades Empresariais regionais, 6 Gabinetes, 1 Gabinete do Primeiro Ministro, 16 Gabinetes de Ministros, 38 Gabinetes de Secretários de Estado, 15 Gabinetes dos Secretários Regionais, 2 Gabinetes do Presidente Regional, 2 Gabinetes da Vice-Presidência dos Governos Regionais, 18 Governos Civis, 2 Áreas Metropolitanas, 9 Inspecções Regionais, 16 Inspecções-Gerais, 31 Órgãos Consultivos, 350 Órgãos Independentes (tribunais e afins), 17 Secretarias-Gerais, 17 Serviços de Apoio, 2 Gabinetes dos Representantes da República nas regiões autónomas, e ainda 308 Câmaras Municipais, 4260 Juntas de Freguesias. Há ainda as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional, e as Comunidades Inter-Municipais.
23) Nos últimos anos, nada foi feito para cortar neste Estado omnipresente e despesista, embora já se cortaram salários, já se subiram impostos, já se reduziram pensões e já se impuseram vários pacotes de austeridade aos portugueses. O Estado tem ficado imune à austeridade

Isto não é Política. São factos. Factos que andámos a negar durante anos até chegarmos a esta lamentável situação. Ora, se tomarmos em linha de conta estes factos, interessa perguntar: como é que foi possível chegar a esta situação? O que é que aconteceu entre 1995 e 2011 para termos passado termos de "bom aluno" da UE a um exemplo que toda a gente quer evitar? O que é que ocorreu entre 1995 e 2011 para termos transformado tanto o nosso país? Quem conduziu o país quase à insolvência? Quem nada fez para contrariar o excessivo endividamento do país? Quem contribuiu de sobremaneira para o mesmo endividamento com obras públicas de rentabilidade muito duvidosa? Quem fomentou o endividamento com um despesismo atroz? Quem tentou (e tenta) encobrir a triste realidade económica do país com manobras de propaganda e com manipulações de factos? As respostas a estas questões são fáceis de dar, ou, pelo menos, deviam ser. Só não vê quem não quer mesmo ver.


A verdade é que estes factos são obviamente arrasadores e indesmentíveis. Factos irrefutáveis. Factos que, por isso, deviam ser repetidos até à exaustão até que todos nós nos consciencializássemos da gravidade da situação actual. Estes é que deviam ser os verdadeiros factos da campanha eleitoral. As distracções dos últimos dias só servem para desviar as atenções daquilo que é realmente importante.


Enviado por e-mail pelo Amigo Alberto

Transcrição de post publicado por Luís no Sempre Jovens
Imagem do Google

4 comentários:

Luís Coelho disse...

O vazio dos nossos políticos é assombroso.
Não querem que os portugueses saibam a verdade e continuam a mentir com todos os dentes que tem na boca.

A opinião pública vai-se dividindo e não precisamos de maiorias para nos impor regras. Precisamos de políticos competentes e honestos. Políticos trabalhadores e sem vaidade com palavra e com respeito por todos os portugueses.

É tempo de afastar do poder os esbanjadores e feirantes que apenas sabem representar sempre a mesma peça de teatro e a pavonear-se em carros de luxo.

A. João Soares disse...

Caro Luís Coelho,

Nada de especial, positivo, podemos esperar dos nossos políticos. Entram na adolescência nas Jotas como alternativa para os fracassos nos estudos e aprendem que a sabujice, o lamber de botas aos líderes compensa. Agitam bandeirinhas, aplaudem, elogiam os «belos» discursos, etc. Esta «escola de formação profissional» é uma moléstia terrível para Portugal. E assim chegam a assessores, a vereadores, a deputados a governantes até a PM

Por outro lado saem dum povo mal integrado em valores éticos e morais. A cultura ou incultura nacional está a descambar para a mediocridade, para a mentira, a corrupção, a vaidade e o deslumbramentos de uns deficientes mentais que o povo aceita e aplaude.

Seria bom que nos media surgisse um punhado de bons jornalistas que contribuísse para a recuperação dos mais altos valores nacionais, e arregimentasse os jovens em concursos de ideias, de projectos em que eles se concentrassem naquilo que é essencial e, depois, se enfatizassem da forma mais visível os premiados. Fica aqui esta sugestão.

A economia, o ensino e tudo o que pode levantar Portugal vai caindo nas mãos de políticos sem qualidade, como os «professores» que deram os canudos ao Vara e a Sócrates.

A própria Justiça está pressionada, como se vê em todos os «casos», da Casa Pia, do Freeport, do Apito dourado, da Face Oculta, das Facturas falsas, etc, etc.
A propósito de Justiça, a ironia mostra que o País tem os melhores cidadãos na Política, pois não há neles nenhum condenado. Possivelmente, no BPN ou no BPP, tal como aconteceu noutros casos, não haverá condenados.

Com a escola de onde são provenientes e com a prática que tem vindo a ser aperfeiçoada e apoiada por legislação feita a seu gosto, não podemos esperar um futuro brilhante para os actuais jovens.

Um abraço
João
Só imagens

Luis disse...

Caríssimo Amigo João,
Socrates continua com o seu "FAZ-DE-CONTA" tentando manter o Povo adormecido mas espero que apesar de tudo Ele acorde de vez e acabe com esta "FARSA"!
Um abraço amigo e solidário.

A. João Soares disse...

Caro Luís,

Esperar que uma pessoa mude a sua personalidade, a sua genética, é uma fantasia demasiado irreal. Não é por acaso que se diz que quem faz parte do problema dificilmente pode fazer parte da solução.
Sócrates poderá estar a agir convicto de que está a fazer o melhor por Portugal, pode não descortinar os seus erros, pode não ser capaz de obter uma visão estratégica que lhe permita descortinar o melhor caminho. Rodeou-se de gente oportunista que pretendem obter o máximo, sem nada terem para dar para a reconstrução de Portugal. Os poucos homens válidos do governo foram contrariados e desautorizados. O primeiro ministro das Finanças Luís Campos e Cunha afastou-se logo que viu ser impossível trabalhar com um teimoso ignorante e incompetente, o segundo, Teixeira dos Santos, procurou suportar tudo, mas mesmo assim não conseguiu acabar em bem. O ministro dos Estrangeiros, Amaral de Freitas não pôde continuar e arranjou um pretexto para abandonar um irracional que nada sabe nem deixa trabalhar os que sabem. E, depois, não conseguiu fazer remodelações do Governo porque nenhum português capaz esteve disponível para fazer parte de tal equipa incoerente. Teve de fazer uns pequenos arranjos internos, ficando tudo mais na mesma.
O resultado está à vista de quem quer ver. E desgraçadamente, há portuguesas que estão decididas a votar num homem bem vestido, bem falante, alto e bonito... como se tais «qualidades» tenham algum interesse para as funções de governante!!!

Um abraço
João
Só imagens