segunda-feira, 5 de outubro de 2009

A vitória de Aníbal

JN. Por Mário Crespo, em 5 de Outubro de 2009

O presidente Aníbal Cavaco Silva devia ter falado hoje ao país. Decidiu ignorar o interesse nacional a favor de uma soturna agenda pessoal que já ninguém entende. Não colhe a justificação de que por haver eleições autárquicas, o presidente não fala. Nada tem a ver uma coisa com outra.

Estas mesmas eleições não o impediram de falar ao país há uma semana com a sua intrigante, politiqueira e sectária comunicação das escutas. Estamos, portanto, face a mais um misterioso desígnio voluntarista que lhe ditou agora que ficasse calado no Dia da República que ele jurou representar. O país, no lamentável estado de confusão em que se encontra, necessitava de um discurso do estado da República que procurasse restabelecer a confiança e transmitisse a mensagem de que as instituições seriam capazes de enfrentar a crise que se radicou. Serão? Ao certo não sabemos. Há quem duvide. E assim, o representante da República Portuguesa, o garante da independência nacional, do regular funcionamento das instituições democráticas e comandante Supremo das Forças Armadas optou por mais uma incompreensível caturrice, reafirmando neste aniversário da implantação da República que o quero-posso-e-mando continua a ser a sua maneira de estar no Estado, com os absurdos ímpetos pessoais que ignoram os interesses do país.

No aniversário da implantação da República em Portugal, ainda sem um governo definido e sem uma linha política ou ideológica fiável, o comandante em chefe decide-se, por razões que nenhuma razão explica, por mais um nebuloso mutismo. É um registo que tem que ser lavrado quando a Republica Portuguesa assinala os seus 99 anos e que deve constar do cadastro deste seu presidente, para memória futura.

Há um pormenor estranho no comportamento presidencial de Aníbal Cavaco Silva que talvez possa ajudar a interpretar atitudes actuais. Desde o início do mandato que o presidente utilizava nas suas comunicações fórmulas desconcertantes da terceira pessoa. Quando interpelado publicamente, Cavaco Silva respondia sempre que "o presidente da República" faria isto ou faria aquilo. Nunca utilizava na sua retórica pronomes pessoais claros e directos que responsabilizassem o cidadão Aníbal Cavaco Silva.

Tudo se passava num binómio esquizofrénico em que havia dois indivíduos com identidades distintas. Aníbal e uma pesada entidade presidencial cujo fato, de imaculado corte, nunca lhe assentou bem. Este dramático despique parece ter tido um desfecho com a morte do presidente da República e a vitória de Aníbal na histórica comunicação das escutas. Pela primeira vez no discurso presidencial as terceiras pessoas desapareceram.

Lêem-se nesse texto coisas como "a minha interpretação dos factos" a "leitura pessoal", a "interrogação que fiz a mim próprio", ou mesmo a "minha confissão". Portanto, faleceu o elo mais fraco da persona presidencial.

Aníbal possuiu a chefia do Estado e tomou conta do discurso no Palácio de Belém com a sua linguagem chã e os seus ultrajes humanos, sem recursos desculpabilizantes a terceiras pessoas. Aníbal zurziu em quem não gosta numa impudica zaragata birrenta e sem quartel. Claro que Aníbal está no seu direito de fazer tudo isso e coisas piores ainda de que certamente é capaz.

O presidente da República, não!

NOTA: Esta análise psicológica ou psicanalítica traz um novo aspecto ao retrato aqui esboçado. Realmente, Aníbal ganhou quando conseguiu que o PR lhe permitiu falar ao País acerca das escutas apesar das eleições; agora voltou a ganhar ao colocar-se ao lado dos monárquicos e impedir o PR de presidir às cerimónias tradicionais, neste 99º aniversário. Com efeito, como Diz Crespo, um discurso de Estado podia ser feito sem descer ao ponto de tomar posição por um ou outro partido na luta pelos votos que está em curso. Os interesses de Estado podem muito bem ser comuns a todos os partidos e estar acima das guerrilhas interpartidárias.

3 comentários:

Maria Letra disse...

Amigo João Soares,
Mais um óptimo texto seu, onde a dupla PR-Aníbal Cavaco Silva é posta na berlinda numa análise bastante pertinente. Cavaco Silva deve estar a passar por uma crise existencial ... Tem razões para isso!
Um abraço.
Maria Letra

Maria Letra disse...

Amigo João Soares,
A forma como comentei este texto, dá a impressão que eu estava convencida de que o texto é de Sua autoria. Ele é da autoria de Mário Crespo, com uma boa nota Sua. É, reafirmo, um bom texto "postado" (era isso que deveria ter escrito)por Si, sempre atento ao que se passa no país.
Um abraço.
Maria Letra

A. João Soares disse...

Querida Mizita,

Achei o texto de Mário Crespo muito interessante e por isso o transcrevi.
Os acontecimentos de ontem reforçam esta visão.

A dignidade e a sensatez deviam ser as principais virtudes dos representantes do povo, a elas se associando as qualidades que todo o ser humano com funções de responsabilidade deve possuir.

Ontem, como diz um comentador num meu blog mais uma vez fez um discurso em que não entrou mosca. Festejava-se o 99º aniversário de uma das três revoluçõea do século passado.

As grandes mudanças são sempre apoiadas pela melhor intenção, mas devido aos pecados irremíveis dos políticos, as melhorias ficaram a meio caminho. No século passado tivemos três experiências, todas diferentes na forma e nos resultados. Analisem-se e tirem-se conclusões.

Ontem houve a fuga do País do Presidente da República, que não se sentiu bem na tradição no meio do País e refugiou-se no seu casulo diário. Talvez por ali tivesse passado ao «fazer a rodagem do carro» ou talvez tenha recusado voltar ao «Portugal profundo» e não mais sair do seu fortim, com receio de ser empurrado para o «Pulo do Lobo».
Vá lá uma pessoa tentar compreender os políticos!!!

O que esperamos agora da pessoa que é suposto desempenhar as funções de Presidente? Está a ficar muito descredibilizado. Perdeu as forças necessárias para convencer os partidos a unirem-se tendo como objectivo a reconstrução de Portugal.

Beijos
João