domingo, 23 de outubro de 2011

Promessas enganadoras



Com base neste video e olhando para a situação actual, Vasco Lourenço alerta que poder foi tomado por "bando de mentirosos". O capitão de Abril fez esta afirmação, justificando a conclusão com um vídeo que "corre" na Internet com declarações de Passos Coelho que foram "renegadas" nos actos do Governo.

Passos Coelho poderá alegar que, quando fez tais afirmações, estava convicto de que conhecia a realidade do País e que, depois, teve muitas surpresas. Isto mostra que não podemos acreditar nas palavras agradáveis e nas promessas ilusórias. Só conhecendo bem o verdadeiro problema se pode procurar a melhor forma para o resolver. Sem um diagnóstico correcto não pode haver terapia eficaz, não pode encontrar-se solução.

Em consonância com isto, Louçã disse ontem que quando falam em atacar o monstro, "querem ir ao bolso e sobretudo à dignidade das pessoas". Nos posts mais recentes tem sido aqui salientado o perigo de olharem mais para os números do que para as pessoas, esquecendo que estas devem ser consideradas o objectivo fundamental de uma boa governação e o seu bem-estar deve ter a primeira prioridade.

Entretanto referindo-se às diferenças de pontos de vista entre o PR e o Governo quanto aos cortes de subsídios dose 13º e 14º meses, Marcelo Rebelo de Sousa salientou que “tudo o que nos permita ultrapassar clivagens contribui para a coesão nacional”. “Não sei qual a intenção do Presidente Cavaco Silva, mas objectivamente é boa a ideia de que não há bons e maus e que estamos todos no mesmo barco”.

O professor está certo quando deixa subentender que a convergência de esforços é altamente positiva para resolver um problema. Porém, tal convergência só é positiva depois de haver uma boa solução para cuja concretização todos se devem unir, sem clivagens. Mas, o unanimismo, a aceitação passiva de erros, ou de soluções ineficazes, é antipatriótica e serve apenas para levar ao pântano de águas paradas e pestilentas. É preciso Pensar antes de decidir e, durante a preparação da decisão, todas as achegas são úteis. Quanto mais variados forem os pontos de vista, mais correcta e fundamentada poderá ser a solução escolhida pelo decisor.

2 comentários:

pvnam disse...

Sem dúvida que o objectivo final de tudo isto é a implosão das soberanias...


--> A superclasse (alta finança internacional - capital global, e suas corporações) não só pretende conduzir os países à IMPLOSÃO da sua Identidade (dividir/dissolver identidades para reinar)... como também... pretende conduzir os países à IMPLOSÃO económica/financeira.
--> Só não vê quem não quer: está na forja um caos organizado por alguns - a superclasse: uma nova ordem a seguir ao caos... a superclasse ambiciona um neo-feudalismo.

--> Marionetas dos 'Bilderbergos' (ex: Sócrates e afins) fizeram o seu trabalho: silenciaram 'Medinas Carreiras', e armaram a RATOEIRA para a falência: endividamento esperando um - ILUSÓRIO - crescimento perpétuo...



ANEXO:
-> Muito muito mais importante do que a crise... é o DIREITO À SOBREVIVÊNCIA!
Resumindo e concluindo: Não vamos ser uns 'parvinhos-à-Sérvia'.... antes que seja tarde demais, há que mobilizar aquela minoria de europeus que possui disponibilidade emocional para se envolver num projecto de luta pela sobrevivência... e SEPARATISMO!...


ANEXO 2:
Os políticos não são - nem podem ser - 'paizinhos'!!!
Há que exigir, isso sim, é UM MAIOR CONTROLO sobre a actividade política!
Votar em políticos não é passar um 'cheque em branco'!!!
O Presidente da República pode vetar uma lei... sem querer derrubar o governo!!!
Os contribuintes devem poder vetar uma despesa com a qual não concordam... sem querer derrubar o governo!!!
Democracia verdadeira, já!
Leia-se: DIREITO AO VETO de quem paga (vulgo contribuinte):
- blog fim-da-cidadania-infantil.
{um ex: a nacionalização do negócio 'madoffiano' BPN nunca se realizaria: seria vetada pelo contribuinte!}

A. João Soares disse...

Caro PVNAM,

Realmente, o povo tem que controlar os seus mandatários, e exigir-lhes fidelidade às suas funções de governar para o povo. Há que manifestar, pressionar. A pressão é indispensável para que os políticos governem. Veja que há dois governantes que desistiram de um subsídio imoral embora seja «legal» à luz das leis imorais, insensatas, feitas à medida dos interesses dos políticos e sua matilha.
Mas só desistiram depois da pressão feita através da comunicação social e da Internet.

Cumprimentos
João