terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Emigração do capital

Será que os grandes empresários e capitalistas parecem estar a seguir o conselho dado por Passos Coelho aos professores, para emigrar? Parece que não terá sido essa a mola, porque a noticiada emigração de capital já há muito tem vindo a ser seguida, para a Suíça, Gibraltar, Luxemburgo, Irlanda, Polónia, etc. Os paraísos fiscais, segundo as notícias, são bem conhecidos e frequentados pelo capital acumulado nas grandes empresas à custa dos clientes que pagam preços exagerados pelos produtos que adquirem, por vezes com sacrifício. Para os possessores do capital não há país nem fronteiras, nem interesses da população, mas apenas a rentabilidade e o aumento. Não merecem, por isso, que os governantes prejudiquem e sacrifiquem os mais desfavorecidos para proteger os mais ricos.

Vem isto a propósito da notícia de que a Jerónimo Martins, passou a totalidade do seu capital para uma subsidiária na Holanda, o que se relaciona com o espírito das reflexões expressas em Justiça Social ??? e em Recado aos senhores deputados e vem pôr em causa a credibilidade do slogan «prefira produtos nacionais». Por um lado, já não sabemos bem quais são os produtos nacionais e quem beneficia com a sua venda, tantos são os interesses estrangeiros, por outro lado, a crise deve servir de lição para aprendermos a usar o nosso pouco dinheiro, escolhendo os produtos com base no binómio preço/qualidade que nos seja mais favorável.

Se preferirmos produtos convencidos de que são nacionais, podemos estar a incentivar a produção menos competitiva em qualidade e preço, aumentar o enriquecimento imerecido de capitalistas e a fuga de capitais para paraísos fiscais de que o País nada beneficia.

O factor prioritário dos grandes empresários raras vezes corresponde aos interesses nacionais ou à justiça social e à coesão nacional. As palavras melífluas de tais empresários e daqueles que deles dependem ou desejam depender, devem ser sempre interpretadas com sérias reservas, porque os verdadeiros objectivos são sempre bem camuflados e ocultos.

Imagem de arquivo

2 comentários:

Campista selvagem disse...

Caro joão...
Esta é mais uma esmola, este é o mais flagrante acto de cobardia desta gente que se diz empregadora...
Nunca gostei deles, nunca criaram nada, apenas se limitaram a comercializar, para depois darmos de caras com este escandalo...
Por mim o proximo slogam era não comprem em grandes superficies, estes bandidos não merecem o nosso suor.
Destruiram todo o comercio lucal e de seguida nem empregos querem manter ao colucar maquinas automáticas para pagamento, ainda não satisfeitos levam o dinheiro para paraísos fiscais, e esses palhaços que o povo colucou em S.Bento ainda batem palmas, uma vergonha é o que é, isto é gosar com o povo.

A. João Soares disse...

Caro Campista Selvagem,

A sua definição é muito correcta e já me chegou à mão por e-mail. Estes «empresários» não passam de ambiciosos parasitas, insaciáveis, sem escrúpulos,que apenas querem chupar toda a seiva dos clientes dos negócios que criam. À sua volta, ficar+á o deserto, sem vida.
Investem em marketing e publicidade para atingirem mais lucros, de que apenas eles beneficiam e fogem o mais possível às responsabilidades fiscais.
A sua actividade predadora não traz vantagem nem aos clientes nem ao Estado, ´s só para eles e para os seus submissos colaboradores melhor colocados nas suas organizações que sangram o povo e o País.
Quanto aos políticos que os toleram e apoiam ou estão pagos por eles ou esperam receber um tacho.
Não se deve deixar de reflectir no significado de
- Soares dos Santos defende redução do IRS e IRC e aumento do IVA
-Elites estão caladas por lhes faltar independência, diz Alexandre Soares dos Santos
-Parlamento é "escritório de representações"
- BE apresenta projecto de lei para alterar estatuto dos deputados

Estes artigos de jornal mostram a justificação daquilo que o Campista escreve

Abraço e Bom Ano
João