terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Não lhe mexas que é pior

Em meados do século passado, no teatro Monumental estava em palco uma peça em que os actores Artur Semedo e Laura Alves, a dada altura, enquanto um casal mais idoso discutia, estavam sentados num sofá em atitude de namorados e, quando o Artur teve de se levantar para cumprir a parte seguinte do seu papel, ao dar os primeiros passos, teve necessidade de acomodar o volume que surgira no fundo do ventre por ter levado demasiado a sério o contacto com a namorada. Como o gesto fosse demorado e notado, um espectador gritou do meio da plateia: «Oh Artur não lhe mexas que é pior». Houve gargalhada e aplauso geral e o Artur distraiu-se do incómodo e este desapareceu.

O mesmo conselho é aplicável a Cavaco que, passados três dias da sua afirmação que mereceu a ajuda de Marcelo “Há dias em que uma pessoa não é feliz”, deu origem à notícia Cavaco Silva diz que não foi "suficientemente claro" na questão das reformas. Ora, para que os leitores compreendem o que se passara, três dias antes, o artigo repete o sucedido. E, quanto mais mexer, mais tempo as palavras «infelizes» e menos claras continuarão na boca dos portugueses.

Não lhe mexa que é pior. Aplique o tabu, ponha uma pedra sobre o assunto. Aqui será seguido este conselho para este caso.

Imagem do Google

2 comentários:

O Guardião disse...

A falta de sensibilidade social de quem está bem na vida não é um exclusivo deste senhor, mas ele pela função que desempenha (mal), não tem desculpa. Não fui eu que disse que era o provedor do cidadão, mas sim ele...
Cumps

A. João Soares disse...

Caro Guardião,

É realmente incrível que um indivíduo que se ofereceu para exercer funções de tanta responsabilidade confesse, com ar de inocência, que não disse aquilo que pretendia e que não foi claro. Ouvi um fulano dizer, com ironia, que tal como um cidadão normal se pode esquecer de levar o porta-moedas ou os óculos para ler, ele se esquece, de vez em quando, de levar o cérebro!

É pena que se preste a tanta anedota, como as que correm pela Internet.

Abraço
João