sábado, 10 de junho de 2017

10 DE JUNHO

10 de Junho.

Hoje festejamos o dia da Raça ou de Camões, mas não basta recordar os feitos dos heróis do passado, é preciso olhar para a frente. E não se deve entrar em aventuras caprichosas sem estar bem consciente do resultado desejado.
Mas é preferível mudar do que ficar impassível no pântano até à putrefacção total. Há que dar valor à coragem, embora com resultados criticáveis, dos que fizeram o 5 de Outubro, o 26 de Maio e o 25 de Abril. E há que analisar os erros cometidos durante aquilo que os militares chamam «exploração do sucesso», há que agir após um planeamento para a acção e para o que se seguirá, a fim de se poder ir «mais longe e mais além».
E não é preciso ir «além do que permite a força humana», mas sim, fazer um bom aproveitamento de todos os recursos, humanos, materiais e tecnológicos a fim de recuperarmos a «Nação valente e imortal» pela qual todos ansiamos.
Cabe a cada um de nós o máximo esforço para assegurar o futuro dos netos e ninguém deve ficar sentado à espera que sejam outros a trazer-lhe numa bandeja um futuro melhor.
Temos que procurar ir «para além da Taprobana». Mas nada de bom se consegue com violência. Querer combater a violência com mais violência é como querer matar a fome com mais recusa de alimentos.
Pensemos nisto e façamos tudo o que pudermos, tudo quanto «permita a força humana».

6 comentários:

Brizissima disse...

BRAVO MEU AMIGO, COMO SEMPRE PRAGMÁTICO E VERDADEIRO. GOSTEI QUE FOSSE BUSCAR FRASES DA NOSSA HISTÓRIA PARA QUE NÃO NOS ESQUEÇAMOS DO QUE FIZERAM OS NOSSOS ANTEPASSADOS E POSSAMOS CONSTRUIR AINDA UM FUTURO DE QUE NOS POSSAMOS ORGULHAR. ABRAÇO

Luis disse...

O grande mal do 25 de Abril foi que não foi feita. A exploração do sucesso adequada pois só os comunistastinham pensado como faze-la e quase que conseguiram...,Mas com tudo isso ficámos nesta misericórdmiséria e vai levar muito tempo para se normalizar. Quanto ao trsto

Luis disse...

Infelizmente muitos dos militares que entraram no 25 de Abril pensaram com ligeireza na exploração do sucesso deixando que isso fosse aproveitado pelos comunistas que quase conseguiram levar a "água ao seu moinho"! No entanto o mal estava feito e só daqui a muitos anos conseguiremos recuperar dessa ligeireza. Quanto ao resto que dizes concordo absolutamente pois não podemos manter-mo-nos neste pântano em que vivemos.

Manuel Bernardo disse...

Caro João Soares:

Gostei das alusões aos textos/poesia de Camões com vista ao futuro. Gostaria de colocar um pdf no facebook sobre o Manuel Alegre mas não sei como. És capaz de o fazeres em meu nome? Vou-te enviar pela via net normal. Ob e até 3.ª feira. Ab

A. João Soares disse...

Meus caros, vivo intensamente os problemas de Portugal e da Humanidade, como se ainda tivesse muitas dezenas de anos à minha frente. É pena que não convença gente mais jovem a pensar assim para que a Humanidade tenha um futuro mais harmonioso, de paz e desenvolvimento económico e social.
Beijos à amiga Ana Bela e abraços ao Luís e ao Bernardo.

Campos de Barros disse...

É com o maior gosto que tentarei corresponder ao pedido de um comentário que me foi feito,o que nem sequer obriga a grande esforço,na medida em que tenho acompanhado os textos publicados,com os quais normalmente me identifico.
Considero,como frequentemente tenho publicitado,ser imperativa uma MUDANÇA, a vários níveis,começando pela que mais dificuldades apresenta:uma mudança de mentalidade do povo,na qual os profissionais da política não estão minimamente interessados,por quanto mais evoluído, cívica e politicamente é um povo,mais difícil ou mesmo impossível se torna o controlo político do mesmo.
Uma segunda Mudança,do mesmo modo difícil,complexa mas indispensável é,na minha opinião,a mudança do sistema eleitoral,com a sua substituição por um outro em que o voto nominal impere;há várias alternativas, competindo aos especialistas submeter as suas propostas a debate público.Mas não se pode esquecer que para a alteração defendida é obrigatória a aprovação da nova lei por um mínimo de 2/3 do total dos deputados existentes...Não há qualquer dúvida que a marosca foi bem feita!Muito mais haveria a dizer,mas fico-me por aqui,até porque em comentários no facebook e,muito especialmente no blog que vou mantendo no mesmo,tudo o que penso sobre a realidade portuguesa transmito.E,para terminar:contrariamente ao que normalmente é defendido não é a classe politica a maior culpada pela situação caótica a que se chegou;somos,sim,todos nós,por acção ou omissão por ao longo de decénios termos permitido a criação e alimentação do "monstro"que vai comendo o país...É isto que penso e, como sempre,o que penso publicito!Os melhores cumprimentos.